Diretor da Grendene vai pagar R$ 170 mil para encerrar processo na CVM

Houve suposta negociação com ações ordinárias, antes de divulgação de fato relevante

Por que investir em Bolsa de Valores?
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • Nos cálculos da área técnica, o executivo havia tido um lucro de R$ 12 938
  • Ele argumentou que não existia certeza de que algum acordo seria estabelecido e não havia informação relevante a ser divulgada

O diretor de relações com investidores da Grendene, Alceu Demartini de Albuquerque, vai pagar R$ 170 mil para encerrar um processo administrativo na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O executivo apresentou uma proposta de termo de compromisso para encerrar o caso ainda em fase de análise, ou seja, não havia acusação instaurada.

A Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários (SMI) apurava suposta negociação com ações ordinárias da Grendene em junho do ano passado, pouco antes de divulgação de fato relevante, em julho, sobre a celebração de memorando de entendimentos com a 3G Radar, associada a 3G Capital. O objetivo era fazer uma joint venture para distribuir e comercializar os produtos da fabricante de calçados no exterior. Nos cálculos da área técnica, o executivo havia tido um lucro de R$ 12 938.

Em sua manifestação prévia, o executivo argumentou que, no decorrer de todo o período em que realizou as operações, não existia certeza de que algum acordo seria estabelecido ao final das conversas e, por isso, não havia “informação relevante que devesse ser divulgada”.

No entanto, de acordo com a área técnica, como diretor de RI, ainda que não tivesse intenção de obter benefícios financeiros com a utilização da informação privilegiada, “deveria ter o cuidado de não negociar ações de emissão da companhia em meio a negociações que poderiam culminar com o anúncio de um fato relevante com potencial para influenciar os preços dos papéis”.

Inicialmente, o diretor da Grendene ofereceu pagar R$ 38 414, o triplo do lucro aferido de acordo com as negociações investigadas pelo regulador. Depois de negociações, ele aceitou pagar R$ 170 mil, de acordo com a contraproposta do comitê de termo de compromisso da CVM.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Anne Dias Publicado em 20.maio.2022 às 11h12
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 11h04
Dólar cai até R$ 4,89 e juros futuros oscilam perto da estabilidade

Moeda americana se desvaloriza em todo o mundo nesta manhã

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 11h01
Bolsas de NY apontam para recuperação na sessão desta sexta

Mercado americano vem de dois pregões seguidos de queda

Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras