Como o investidor pode avaliar as primeiras pesquisas eleitorais de 2022

Os números da corrida presidencial devem influenciar o mercado financeiro com mais intensidade nos próximos meses

Foto: Pedro França/Agência Senado

Pontos-chave

  • Além dos institutos tradicionais, bancos e corretoras têm investido nas sondagens
  • Especialistas contam o que colocar no radar e como lidar com os ruídos

Saber quem será o próximo presidente do Brasil, o projeto econômico e os integrantes da equipe com a missão de colocar o plano em prática devem ser algumas das perguntas que irão influenciar o mercado financeiro e trazer muita volatilidade nos próximos meses – principalmente nas ações negociadas na Bolsa de Valores. Parte das indagações anteriores podem ser parcialmente respondidas com a divulgação das pesquisas da corrida pelo Palácio do Planalto.

Isso ajuda a explicar o interesse das instituições financeiras em realizar as sondagens. Um levantamento do site Poder360 mostrou que bancos e corretoras pagaram pelo menos 22 pesquisas de intenção de voto para presidente desde outubro de 2020 até o final de 2021. E olha que ainda tivemos as consultas realizadas pelos institutos tradicionais.

As primeiras semanas de 2022 já trouxeram duas dessas enquetes encomendadas pelo mercado financeiro – o que sinaliza um potencial aumento no volume de informações coletadas relacionadas ao pleito marcado para outubro. A Inteligência Financeira ouviu dois especialistas para saber como o investidor pode fazer uma leitura adequada dos levantamentos.

Além dos números da intenção de voto, o economista Sérgio Vale, da consultoria MB Associais, destaca a evolução da rejeição e o potencial de voto dos candidatos. No caso do atual cenário brasileiro, Vale comenta de duas situações para ter no radar.

A primeira é se haverá o crescimento de um candidato da chamada terceira via e esquentar a briga com o presidente Jair Bolsonaro (PL) pela ida ao segundo turno. Hoje, o economista vê o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos) como o postulante de maior potencial. “O mercado vai estar atento se haverá o descolamento de um nome da terceira via, que parece ser o Moro, e se ele terá capacidade de bater de frente com os outros dois candidatos que lideram as pesquisas.”

Outro quadro é a chance de o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) ganhar no primeiro turno. “Isso mostra respaldo por parte do eleitorado e dá muita força política. Mas para fazer o quê? Esse será o dilema que o investidor vai ter que lidar”, analisa.

Apesar disso, Sérgio Vale considera que “não dá para tomar decisão no que está sendo divulgado agora”. “Tem que ter muita cautela. Essas primeiras sondagens do ano são mais para tatear, ver os rumos do cenário, que será de uma muita volatilidade pela frente. Então tem que saber filtrar para não se equivocar e tomar decisões bem pensadas.”

As eleições anteriores também podem fornecer um direcionamento de como avaliar as sondagens eleitorais – e projetar as aplicações. Evandro Buccini, sócio e diretor de renda fixa e multimercado da Rio Bravo, cita o exemplo de Bolsonaro, que não era o favorito no início de 2018 para assumir o cargo de presidente brasileiro. “Mesmo os gestores profissionais são muito cuidadosos em montar posições com base em notícias de eleição. O ideal é ter uma alocação de longo prazo que leve em conta os riscos e volatilidade desse período. Descontando o ruído, sobra pouquíssima informação útil”, afirma.

“O mercado será afetado no curto prazo, pois quem movimenta os preços no dia a dia são aqueles que negociam mais, mais suscetíveis aos ruídos. Se o investidor não tiver muito apetite para essa volatilidade, melhor diminuir a exposição em ativos de risco e eventualmente aproveitar fortes quedas para voltar”, completa Buccini.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 10h10
Ibovespa tem tendência de queda com inflação e Petrobras se mantendo no radar

Investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Fed

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 14h35
SpaceX, de Elon Musk, vai lançar satélites brasileiros

A Aeronáutica informou que o país lançará até a próxima segunda-feira dois satélites-radar com a SpaceX, empresa do bilionário Elon Musk

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 12h16
Bolsonaro quer preços dos combustíveis congelados até a eleição, diz blog

Nos bastidores, presidente considera que novas altas tendem a comprometer sua reeleição

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia