XP Asset espera juros ainda mais altos nos EUA e vê pouca assimetria nos mercados no Brasil

Gestora vê caminho longo até que principais bancos centrais do mundo consigam trazer a inflação de volta às metas

Foto: Pexels

O quadro disseminado de pressões globais de preços e desequilíbrio entre a demanda e oferta de commodities, especialmente o petróleo, ainda deve gerar dificuldade para que os principais bancos centrais do mundo consigam trazer a inflação de volta às metas. Assim, os profissionais da XP Asset enxergam níveis de taxas de juros ainda mais altos nos Estados Unidos, o que se traduz em posições tomadas (que apostam na alta) na curva americana.

“Mantemos posições apostando na alta de juros nos Estados Unidos. Muitas pessoas perguntam qual é o nível que as taxas podem chegar e o que podemos fazer é procurar analogias históricas. Em 2005 e 2006, com uma economia muito mais alavancada, o Federal Reserve precisou de um juro superior a 5%”, lembra o sócio e gestor de multimercados da XP Asset, Bruno Marques, em evento organizado pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

Hoje em dia, segundo ele, há muito mais poupança do que crédito na economia americana, o que, em tese, deveria fazer com que a necessidade de aperto fosse ainda maior. Por outro lado, pondera Marques, as condições financeiras da economia passam por um processo de aperto significativo devido à queda nas bolsas e alta dos juros, o que serve como um atenuante para níveis ainda maiores de taxas à frente.

“Temos muita dificuldade em ver os Fed Funds abaixo de 3,5% no fim do ciclo. Acreditamos que poderia superar esse patamar, mas não por uma margem muito grande”, afirma.

Assim, o gestor aponta que, desde meados de dezembro de 2021, os fundos da XP Asset carregavam posições vendidas em bolsa americana, estratégia que foi zerada com a convergência dos múltiplos do S&P 500 para níveis mais semelhantes aos da média histórica.

“Nas últimas semanas, a bolsa americana foi para um patamar condizente com a média histórica, com o P/E (múltiplo de preços sobre lucros) voltando para a casa de 16,5 vezes. Optamos por zerar a posição vendida”, conta Marques, que ainda revela pequenas posições vendidas em bolsas europeias já que, em sua visão, a zona do euro deve sofrer, para além do cenário de aperto monetário, com os efeitos da guerra da Ucrânia e de sua proximidade comercial com a China.

No Brasil, por outro lado, o cenário é de menor visibilidade e, segundo o gestor, “não há prova fácil”. Marques observa que, nos últimos anos, em um ambiente de maior controle das contas públicas e taxas de juros em queda, a XP Asset esteve comprada em bolsa brasileira, em posições que surtiram retornos bastante positivos.

“Bolsa, na minha visão, é um ativo bom quando o país está crescendo ou quando o juro está caindo. Apesar do crescimento deste ano, há perspectivas ruins para o ano que vem e temos muita dificuldade em enxergar os juros caindo”, diz o gestor.

Marques afirma que, até recentemente, as maiores posições no Brasil eram compradas em inflação implícita, que foram reduzidas devido a receios de “canetadas do governo”. “Temos pequenas posições compradas em dólar e vendidas em bolsa. Não vemos grandes assimetrias positivas no Brasil e, atualmente, nossas posições são pequenas e com um viés um pouco mais pessimista”, conclui o profissional.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo