Faz sentido ou não? Quatro ‘clichês’ para avaliar antes de comprar uma ação

IF consultou quatro especialistas para saber deles alguns clichês que podem comprometer as aplicações. Entre eles, considerar que o preço está muito barato e ser admirador de uma empresa

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

A Inteligência Financeira já publicou uma lista com cinco erros que transformam a entrada na Bolsa de Valores em uma cilada. Entre as principais recomendações para não perder muito dinheiro em pouco tempo estão ter um foco no longo prazo, para alcançar uma rentabilidade consistente, e estudar bastante antes de investir em uma empresa. Para ajudar na sua tomada de decisões, a IF consultou quatro especialistas para saber deles alguns clichês que também podem comprometer as aplicações. Eles respondem os problemas dos argumentos que baseiam certas escolhas e indicam o que mais é preciso levar em conta para investir com segurança no mercado acionário.

“Sou fã da empresa”

“O megainvestidor Warren Buffett fala bastante sobre investir naquilo que você conhece. O chamado círculo de competência. No entanto, investir em uma empresa somente porque você consome o produto ou serviço que ela oferece é um risco. Tudo, especialmente na Bolsa, tem um preço. Você pode adorar carros da BMW, mas não vai aceitar comprar uma pelo preço de uma Ferrari, certo? Então o ideal é conhecer a empresa, os produtos e serviços para conseguir fazer um julgamento dos cenários econômicos sobre o que pode acontecer e influenciar os rumos da companhia. Isso ajuda a entender se há avenidas de crescimento para a empresa para justificar o investimento”, aponta Felipe Paletta, sócio e analista de ações e fundos de investimentos da fintech Monett.

“O preço caiu bastante”

“A ação pode estar relativamente barata ao que estava sendo negociada em um período anterior, mas isso não significa necessariamente que ela esteja barata. O que vai determinar isso são os fundamentos e as perspectivas de resultado e do setor. Um exemplo concreto é a Cielo, que até 2015 era praticamente uma monopolista e hoje em dia tem diversos concorrentes, o que acaba diminuindo bastante a margem que ela poderia ter em relação aos clientes. Temos ainda o cenário macro, com a desaceleração da economia e uma taxa de juros elevada. Então o mercado projeta uma geração de caixa e lucratividade menores”, destaca Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos.

“A empresa deve vender bastante no Natal”

“Ter uma orientação baseada apenas em eventos sazonais, como Black Friday e Natal, não faz muito sentido porque todos os fatores externos já estão precificados antes da data. Como todo mundo já pensou nisso antes, o preço já está caro. O mercado estabelece uma expectativa para o período e avalia se vai ser superada ou frustrada. Se houver uma alta nas vendas, mas o número vier abaixo do esperado, o reflexo no preço da ação vai ser negativo. Vai ter perda de dinheiro. Se a meta for batida, já está no preço. A tomada de decisão na hora de comprar uma ação, principalmente de empresas do varejo, é sempre bom considerar, entre outros pontos, como estão e quais são as perspectivas para a confiança e a renda dos consumidores”, avalia William Teixeira, sócio e head de renda variável da Messem Investimentos.

“O gráfico está recomendando”

“Sendo um pouco polêmico ou controverso, mas existe um pessoal que acaba recomendando ação apenas por um ponto gráfico. A análise técnica, que é a análise dos gráficos, que tenta perceber uma tendência em um ativo com relação a sua movimentação histórica, ela por si só, na minha percepção de investidor, que olho os números, os resultados das empresas, mais fundamentalista, ela é de certa forma falha. Em alguns momentos, o gráfico tenta indicar uma tendência de curto, médio ou longo prazo. Mas a decisão de comprar a ação de uma empresa simplesmente pelo movimento do preço em um período de tempo, ela é muito complicada. De certa forma a combinação das análises para a tomada de decisão pode até ser válida, mas simplesmente apenas pela análise gráfica parece um pouco falha. Prefiro uma análise da empresa, dos resultados, do lucro, do fluxo de caixa, do momento da empresa em relação ao mercado que atua, aos concorrentes, é mais importante”, argumenta Leonardo Morales, sócio e diretor da SVN Gestão.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

3 min
Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato

5 min
Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 19h58
‘Travamos o bom combate’, disse Coelho, por WhatsApp, em mensagem de despedida

Funcionários relatam clima de falta de rumo com demissão de José Mauro Coelho; indicado para o posto é Caio Paes de Andrade

3 min
Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h18
ADRs da Petrobras recuam 3,8% em NY com troca no comando e data de corte de dividendos

Os recibos de ações (ADRs) referenciados nas ações ordinárias da Petrobras fecharam em queda de 3,80% na bolsa de Nova York

1 min
Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

2 min