Ex-secretário do Tesouro, Bruno Funchal será o novo CEO da Bradesco Asset

Executivo terá o objetivo de consolidar a Bram como uma das marcas de gestão de recursos de terceiros mais competitivas e qualificadas do mercado

Foto: Edu Andrade/Ministério da Economia

O Bradesco informa que o novo CEO da Bradesco Asset Management (Bram) será Bruno Funchal, ex-secretário Especial do Tesouro e Orçamento e ex-secretário do Tesouro Nacional. Ele irá assumir o novo desafio na carreira após cumprir período regulamentar de seis meses de quarentena, conforme determina a legislação.

A chegada do executivo atende ao objetivo estratégico do Bradesco de consolidar a Bram como uma das marcas de gestão de recursos de terceiros mais competitivas e qualificadas do mercado, e ainda aprofundar a transformação da Asset na direção de colocar, cada vez mais, os interesses do cliente em primeiro lugar, oferecendo produtos competitivos e de alto valor agregado.

“O cenário é de escalada da concorrência, aumento do nível de exigência dos clientes por rentabilidade e segurança, e crescimento da diversificação das opções de investimento”, aponta o presidente executivo do Bradesco, Octavio de Lazari Junior. “Queremos nos destacar nesse novo ambiente dos investimentos no Brasil oferecendo um corpo técnico de excelência na gestão de recursos para o público investidor em geral, correntistas ou não. Bruno Funchal, reconhecidamente um dos mais talentosos economistas da nova geração, chega ao banco neste contexto de mais complexidade na disputa por posições de mercado.”

Segundo Funchal, o desafio será somar no esforço da Bram de alcançar mais protagonismo na gestão de fundos de investimentos para os mais diversos perfis de investidores, bem como ficar ainda mais próximo dos clientes.

“Minha meta é contribuir para o fortalecimento da posição da Bram por meio de uma ampla gama de produtos que ofereçam sofisticação, criatividade e retorno compatível com segurança. Também julgo ser importante uma boa comunicação com os clientes, principalmente nesses períodos de grande volatilidade que temos enfrentado”, avalia Funchal.

Ele aponta que as condições macroeconômicas têm se alterado de forma bastante rápida e que esse processo embute a perspectiva de volatilidade nos mercados globais. “Além disso, é importante destacar que diversas mudanças relevantes vêm ocorrendo no campo microeconômico, com novos ativos e novas regulações. É um momento que traz desafios, mas também oferece boas oportunidades para os investidores”.

De acordo com o comunicado do Bradesco, a Bram tem hoje cerca de R$ 540 bilhões de recursos sob gestão e conta com uma equipe experiente e estruturada, coordenada pelos executivos Ricardo Eleutério, diretor, e Philipe Biolchini, CIO.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

1 min
Glossário IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h05
O que são e o que fazem os bancos múltiplos?

Esses bancos dão conta de várias tarefas ao mesmo tempo e têm diversas categorias. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

2 min
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça

1 min
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

4 min
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h27
Ibovespa opera em alta e busca retomar marca de 110 mil pontos

Bolsa busca quinto dia de ganhos, em meio ao alívio no exterior

4 min
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período

6 min