Bolsas da Europa fecham em queda, pressionadas por temores sobre aperto monetário nos EUA

O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,75%, a 424,40 pontos

Bolsa de Frankfurt, na Alemanha (Foto: divulgação)

As bolsas europeias fecharam em queda nesta quinta-feira, acompanhando o mau humor em Nova York e na sessão asiática, em meio aos temores sobre a aceleração do aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o BC americano) e os seus efeitos sobre o crescimento econômico dos EUA.

Após ajustes, o índice pan-europeu Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,75%, a 424,40 pontos. O FTSE 100, índice de referência da bolsa de Londres, recuou 1,56%, a 7.233,34 pontos, o DAX, de Frankfurt, caiu 0,64%, a 13.739,64 pontos, e o CAC 40, de Paris, cedeu 1,01%, a 6.206,26 pontos. Em Milão, o FTSE MIB fechou em queda de 0,67%, a 23.566,23 pontos, e o Ibex 35, de Madri, caiu 1,35%, a 8.200,40 pontos.

As ações do setor de matérias-primas lideraram as perdas na sessão, fechando em queda de 2,94% no Stoxx 600, enquanto as ações do setor de energia recuaram 2,24%, depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reduziu as suas previsões de demanda por petróleo para 2022 em 320 mil barris por dia, a 3,47 milhões. A ações do setor bancário – de maior peso no índice pan-europeu – fecharam em queda de 0,50%.

Os temores de uma aceleração do aperto monetário do Fed continuam pressionando os mercados acionários em todo o mundo, depois que o índice de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) indicou, ontem, uma desaceleração dos preços menor do que a esperada em abril. A queda do CPI em princípio é positiva, mas o recuo parece não ter sido grande o suficiente para aliviar os temores de altas dos juros mais rápidas.

“Parece que os investidores não sabem o que concluir”, disse Randy Frederick, diretor de corretagem e derivados da Schwab Center for Financial Research, referindo-se à reação dos mercados de ações após a divulgação do CPI nos EUA. “Sabe-se que o ciclo de aperto monetário do Fed começou, mas a dimensão das próximas altas e o alvo final para a taxa de juros nos EUA ainda estão indefinidos”, emendou.

Hoje, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos referente ao mês de abril saiu em linha com o esperado e avançou 0,5% na relação com o mês de março.

Já o total de pedidos iniciais de seguro-desemprego na semana passada somou 203 mil solicitações, enquanto o esperado por economistas consultados pelo “The Wall Street Journal” era de 194 mil pedidos. Para o Jefferies, a consistência dos últimos números (o dado da semana anterior indicou 200 mil pedidos) sugere que não mudou muito no mercado de trabalho. “A demanda por mão de obra é forte, a atividade de demissão é baixa e as condições são apertadas.”

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%

Valor Econômico Atualizado em 14.maio.2022 às 07h21
Autismo: o que Elon Musk, Anthony Hopkins e Greta Thunberg têm em comum e vai além do óbvio

Os cientistas ainda lutam para entender o processo que leva ao autismo, mas há avanços significativos para celebrar