José Mauro Coelho pede demissão da presidência da Petrobras

Fernando Borges, diretor de exploração e produção, foi apontado como presidente interino

José Mauro Ferreira Coelho foi eleito para o conselho de administração da Petrobras, passo necessário para virar CEO — Foto: Leo Pinheiro/Valor
José Mauro Ferreira Coelho: Terceiro executivo a assumir o comando da Petrobras no governo do presidente Jair Bolsonaro — Foto: Leo Pinheiro/Valor

José Mauro Ferreira Coelho pediu demissão da presidência da Petrobras na manhã desta segunda-feira (20), segundo comunicado ao mercado da petroleira. Coelho havia sido eleito no dia 14 de abril – o terceiro no governo de Jair Bolsonaro (PL).

Uma hora e meia após o anúncio, a Petrobras infomou que Fernando Borges, diretor de exploração e produção e membro do conselho de administração desde abril de 2016, foi apontado como presidente interino. Ele ficará no cargo até a eleição e posse do novo presidente da empresa.

As negociações com as ações da empresa na Bolsa de Valores brasileira, a B3, estão complicadas. Foram suspensas na abertura do mercado, retomadas, e logo depois suspensas novamente. O procedimento é praxe quando um anúncio tão importante é feito muito perto do início ou no meio do pregão.

O último ato de Coelho à frente da empresa foi aumentar a gasolina em 5,18% e o diesel em 14,25%, na sexta (17), com efeito a partir de sábado (18). O executivo estava sob forte pressão de Bolsonaro para segurar as elevações de preços, que têm constribuído bastante para a aceleração da inflação e são vistas pelo presidente da República como ameaça à sua reeleição.

Em maio, Bolsonaro anunciou uma mudança no comando da área, em seu governo, para tentar frear os aumentos dos combustíveis.

No dia 11, trocou o ministro de Minas e Energia. Saiu Bento Albuquerque, entrou Adolfo Sachsida, até então secretário de política econômica do ministério da Fazenda. Sachsida entrou com a missão de mudar a gestão da petroleira.

No dia 23, o ministério anunciou a indicação de Caio Paes de Andrade para a presidência da Petrobras. Mas a substituição precisa seguir um rito definido no estatuto da companhia.

E agora?

Como Coelho foi eleito junto com outros conselheiros em assembleia de acionistas, na qual os minoritários também votam, Andrade também precisa ser aprovado em uma eleição semelhante – após o comitê de pessoas verificar se o executivo cumpre os requisitos para o cargo.

Uma situação em que a eleição em assembleia pode ser dispensada é quando o conselho aponta um dos seus membros para a presidência. A demissão de Coelho abriria espaço para essa manobra, mas, para que Andrade fosse alçado ao cargo seria necessário que ele fosse apontado para o conselho e que já tivesse seu currículo analisado pelo comitê de pessoas, o que não aconteceu ainda.

A Petrobras deve, portanto, ficar sem presidente por algum tempo, até que o trâmite legal seja completado.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 02.jul.2022 às 13h59
Luiza Trajano: conheça fatos inéditos da vida de uma das principais empresárias do Brasil

Visão da empresária guia livro “Luiza Helena - Mulher do Brasil”, de Pedro Bial

5 min
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade