Ibovespa tem a pior semana desde outubro por medo de alta de juros nos EUA

No mês de abril, as perdas somam 7,43%

B3, em São Paulo (Foto: Divulgação)

A sinalização feita ontem pelo presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, de que uma alta de juros de 0,50 ponto percentual “está na mesa” para a próxima reunião do banco central americano, disparou uma onda de aversão a risco nos mercados globais que se estendeu até o fim do pregão de hoje. Contaminado pela vulnerabilidade externa, o Ibovespa amargou um dia de perdas expressivas e encerrou sua pior semana desde outubro do ano passado.

A principal referência da bolsa local terminou a sexta-feira em queda de 2,86%, aos 111.077,51 pontos, não muito distante das mínimas intradiárias de 110.618 pontos. O volume financeiro negociado no índice foi de R$ 21,92 bilhões no pregão de hoje, ligeiramente abaixo da média anual de R$ 23 bilhões.

O Ibovespa acumulou perdas de 4,39% na semana, anotando seu pior desempenho desde outubro do ano passado — quando integrantes do Ministério da Economia deixaram seus cargos devido a mudanças no teto de gastos.

Já no acumulado do mês, o índice amarga desvalorização de 7,43%. Das máximas recentes anotadas no dia 1º de abril, o Ibovespa já recuou 8,63%.

A reprecificação dos ativos financeiros observada no pregão desta sexta-feira teve origem nas declarações do presidente do banco central americano, feitas ontem. Em um debate organizado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), Powell abriu caminho para um processo mais célere de altas de juros nos Estados Unidos.

Após os sinais mais duros do líder do BC americano, o que se viu foi uma piora acentuada da demanda por ativos de risco nos mercados globais. Em Nova York, ontem, o S&P 500 caiu 1,48%, o Dow Jones cedeu 1,05% e o Nasdaq recuou 2,07%. Hoje, as perdas foram ainda maiores: 2,77%, 2,82% e 2,55%, na mesma ordem citada acima.

Diferente do que vinha ocorrendo nos primeiros meses do ano, quando o Ibovespa demonstrava força para se descolar dos pares em Nova York, as ações locais também foram duramente penalizadas nesta sexta.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente