Em 10 anos, governo arrecadou da Petrobras 15 vezes mais que minoritários

Os analistas do Bradesco BBI calculam que o governo arrecadou R$ 1,4 trilhão em impostos e dividendos

Plataforma de exploração da Petrobras (Foto: Petrobras/Divulgação)

Entre 2011 e 2021, o retorno total obtido pelo governo com a Petrobras, por meio de impostos e dividendos, foi 15 vezes maior do que o retorno dos acionistas minoritários, diz o Bradesco BBI.

Os analistas Gustavo Sadka e Vicente Falanga calculam que o governo arrecadou com a companhia R$ 1,4 trilhão em impostos e dividendos, enquanto a Petrobras pagou R$ 94 bilhões em dividendos aos minoritários e R$ 177 bilhões em juros acumulados aos credores, sendo o dobro do montante pago ao grupo de acionistas.

Para eles, em dez anos, as ações da Petrobras tiveram desempenho inferior ao índice Ibovespa, ao preço do barril de petróleo tipo brent e ao CDI, implicando retornos relativamente negativos para os acionistas minoritários.

“Embora a Petrobras tenha apresentado níveis altos de lucratividade, os brasileiros, indiretamente por meio de dividendos e impostos pagos pela companhia ao governo, parecem estar se beneficiando mais dessa dinâmica de lucros positiva do que os minoritários”, diz a equipe do Bradesco BBI.

Os analistas observam que as discussões relacionadas à política de preços da companhia estão esquentando, já que ela poderá pagar dividendos recordes este ano, enquanto os preços altos dos combustíveis impactam a inflação.

“Mudanças na política de preços podem sair pela culatra em relação às contas fiscais do Brasil, podendo implicar em custos crescentes para bens e/ou serviços em geral”, reforçam.

Sadka e Falanga acreditam que os resultados da Petrobras nos próximos trimestres devem ser significativamente menores afetados negativamente por um efeito não caixa relacionado a variação cambial, porém, mantendo os dividendos declarados em níveis semelhantes.

“Essa possível distribuição de dividendos provavelmente aconteceria perto da corrida presidencial [eleições de outubro], o que pode intensificar as discussões e potencialmente refletir em volatilidade das ações”, acrescentam.

O Bradesco BBI tem recomendação de compra para Petrobras, com preço-alvo de R$ 50 por ação preferencial. Há pouco, os papéis preferenciais e ordinários recuavam menos de 1%, a R$ 34,28 e R$ 37,56, respectivamente.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 17h58
Como o TikTok se tornou uma máquina de fazer dinheiro?

Plataforma vai triplicar receita publicitária este ano, para US$ 12 bi e ainda amplia ganho de tiktokers, avança em games e e-commerce

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Manhã Inteligente Publicado em 24.jun.2022 às 11h15 Duração 19 min.
Demissões na Netflix, queda dos IPOs no Brasil, indicadores dos EUA abaixo da expectativa

O Manhã Inteligente de sexta (24) está disponível sob demanda por aqui na IF, LinkedIn e YouTube

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 16h27
Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos