Disney+ aumenta número de assinantes e ações sobem 4,1% após o fechamento do mercado

Foram 7,9 milhões de novos assinantes do Disney+

Logo do serviço de streaming Disney+ (Foto: Nick Agro / AFP)

A Walt Disney divulgou números de assinaturas melhores do que o esperado para seu serviço de streaming Disney+ no trimestre mais recente, mostrando que conseguiu evitar uma desaceleração que afetou sua rival Netflix.

Foram 7,9 milhões de novos assinantes do Disney+, para um total de 137,7 milhões, acima dos 129,8 milhões de assinantes no trimestre anterior. Analistas consultados pela FactSet esperavam cerca de 135 milhões de assinantes na plataforma.

A maior empresa de entretenimento do mundo registrou US$ 19,25 bilhões em receita no trimestre encerrado em 2 de abril, em comparação com US$ 15,61 bilhões um ano antes. Analistas esperavam que a empresa reportasse receita de US$ 20,05 bilhões.

As vendas em sua divisão de parques temáticos e produtos de consumo — que inclui os resorts Walt Disney World e Disneyland — registraram US$ 6,65 bilhões, acima das expectativas dos analistas de US$ 6,29 bilhões.

As ações da Disney subiram 4,1% nas negociações após o expediente. A ação fechou quarta-feira em US$ 105,21, uma queda de 2,3%.

Antes da divulgação dos números, as ações da Disney estavam sendo negociadas nas mínimas de dois anos, em queda de mais de 30% no ano. As razões para a queda da Disney são três, dizem analistas: medo de uma recessão iminente, volatilidade geral do mercado de ações e Netflix.

No primeiro ano e meio da pandemia de coronavírus, o modelo de negócios de streaming de vídeo foi a alegria de Wall Street. Então, no mês passado, a Netflix registrou sua primeira perda líquida de assinantes em uma década, com cerca de 200 mil clientes puxando o plugue. Esses resultados fizeram com que as ações da Netflix caíssem quase 50%, apagando quase US$ 80 bilhões em valor de mercado da maior empresa do setor do mundo e pressionando as ações dos concorrentes.

A Disney, que lançou sua principal plataforma de streaming Disney+ apenas alguns meses antes da pandemia, e que agora a incluiu com mais entretenimento focado em adultos no Hulu e programação esportiva ao vivo na ESPN+, também colheu os frutos do fique em casa da pandemia. A mudança ajudou a compensar os fechamentos de seus parques temáticos, que eram a divisão com melhor desempenho da empresa. No trimestre mais recente, a participação nos parques da Disney se recuperou.

Mas a ênfase da empresa em seus negócios de streaming pode se tornar um ponto de pressão à medida que os consumidores mudam seu comportamento em meio à alta inflação e mais opções de onde gastar seus orçamentos de entretenimento, dizem analistas.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 19h14
NY: Empresas de tecnologia recuperam perdas; ações de aéreas americanas fecham em alta

Dados positivos de vendas no varejo nos EUA e sinais de reabertura na China alimentam otimismo

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h48
Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h27
Ibovespa opera em alta e busca retomar marca de 110 mil pontos

Bolsa busca quinto dia de ganhos, em meio ao alívio no exterior