Vale-refeição e vale-alimentação vão mudar; entenda

Decreto do governo federal pode ampliar gama de empresas aceitam os benefícios, mas aumenta sua tributação

Foto: Brenno Carvalho/Agência O Globo)

Desde sábado (11) algumas regras do VR (vale-refeição) e do VA (vale-alimentação) vão mudar, de acordo com decreto do governo federal de novembro. Para o beneficiário, as principais mudanças são:

  • Todo estabelecimento que aceita VR e VA é obrigado a aceitar os cartões destas modalidades de todas as bandeiras (Alelo, Ticket, Sodexo e VR);
  • É possível fazer a portabilidade gratuita dos créditos de VR e VA de uma bandeira de serviços para outra (por exemplo: da Sodexo para a Alelo e vice-versa).

“A norma veio para facilitar, acabar com a restrição de bandeiras”, afirma Alexandre Fragoso Silvestre, sócio do Briganti Advogados.

Além disso, segundo especialistas, a norma esclarece convenções já adotadas:

  • Uma vez depositado, o crédito é de propriedade do funcionário, mesmo em caso de término de contrato;
  • É proibido cobrar mais do cliente que pagar por VR ou VA, de modo a incluir a taxa de serviço.

Para as empresas, as mudanças são mais significativas:

  • Não é mais possível ter descontos no valor dos benefícios contratados, que no setor são chamados de rebate. Por exemplo: se uma empresa precisa contratar R$ 10 mil em vale refeição, é praxe do mercado que ela efetivamente pague menos que R$ 10 mil à prestadora de serviços. Isso acontece dada a concorrência no setor, no qual são oferecidos descontos na briga por clientes. Apesar de fornecer os R$ 10 mil aos colaboradores beneficiados, a prestadora de serviço cobra menos da empresa que a contrata.
  • A dedução do IR (Imposto de Renda) —desconto de até 4% do que a empresa deve de impostos no ano— a partir desses benefícios fica reduzida à parcela de VA e VR pagos aos colaboradores que ganham até cinco salários mínimos (R$ 5.500 em 2021). Antes, não havia a restrição de faixa salarial.

As alterações foram vistas como uma forma de desconcentrar o setor e abrir espaço para startups e fintechs. Por outro lado, os benefícios ficam mais caros para as empresas, dado o fim do rebate e a redução na dedução do IR.

“Sem rebate, ganha o serviço que irá oferecer mais benefícios ao empregador, mas há a preocupação que a norma diminua a demanda por vale”, diz Alan Gai, sócio do escritório Choaib, Paiva e Justo Advogados.

A ABBT (Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador) se diz favorável ao fim do rebate.

“Sobre o desconto oferecido para a aquisição dos benefícios, a ABBT concorda que se trata de ação prejudicial ao mercado e que seu fim é uma iniciativa bem-vinda. Essa dinâmica é fruto da competitividade excessiva de mercado que pode ser corrigida”, disse a ABBT em nota à imprensa.

A partir de 11 de dezembro, as empresas terão 18 meses para se adaptarem à nova norma.

“Com tempo veremos os impactos das mudanças”, afirma Gai.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras

Anne Dias Publicado em 13.maio.2022 às 07h00
Qual é o peso da sorte e do azar no mundo dos investimentos?

O antídoto contra esta sexta-feira (13) no seu bolso é a educação financeira

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 12h41
Magalu lança conta digital sem mensalidade e cartão de crédito para empresas

A fintech Magalu anunciou nesta quinta-feira o lançamento de dois produtos, um cartão de crédito corporativo e uma operação de empréstimo pessoal para pessoas físicas

Valor Econômico Atualizado em 10.maio.2022 às 18h05
IR: restituição de quem deixou declaração para última hora poderá ser maior

Estratégia está sendo usada por contribuintes que apostam em alta no índice de correção dos valores que precisam ser repassados pela União