Minério de ferro recua 2,6% após China sinalizar corte na produção de aço

As perdas da commodity no mercado transoceânico em abril chegaram a 5%

Os preços do minério de ferro cederam tanto no mercado à vista quanto no futuro nesta terça-feira, após a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China (NDRC) revelar os planos do governo para reduzir a produção de aço no país ao longo deste ano.

Segundo índice Platts, da S&P Global Commodity Insights, o minério com teor de 62% recuou 2,6% nos portos no norte da China, para US$ 149,85 por tonelada, o menor preço em mais de três semanas.

Com esse desempenho, as perdas da commodity no mercado transoceânico em abril chegaram a 5%. No ano, os ganhos foram reduzidos a 26%.

Na Bolsa de Commodity de Dalian (DCE), os contratos mais negociados, para setembro, encerraram a sessão com baixa de 3,3%, a 887 yuan por tonelada.

Segundo informação de veículos especializados, após o comunicado da NDRC, a Associação de Ferro e Aço da China (Cisa) informou que a indústria deverá manter o equilíbrio entre oferta e demanda, sem exportar produtos siderúrgicos de baixo custo em larga escala, em meio à restrição de recursos e preocupações com o meio ambiente.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 09h50
Petróleo sobe com redução dos bloqueios na China

Nesta manhã, o petróleo Brent e o West Texas Intermediate (WTI) sobem perto de 1%

JOTA Publicado em 11.maio.2022 às 18h40
Novo ministro de Minas e Energia defende mais importação de biodiesel

Ex-secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida também é a favor da redução de mistura na gasolina e diesel

Redação IF Publicado em 06.maio.2022 às 09h55
Petróleo opera em alta, recebendo impulso da desvalorização do dólar no exterior

Petróleo tipo Brent, que é referência para os preços da Petrobras, avança mais de 2% e supera US$ 113 por barril

Valor Econômico Publicado em 05.maio.2022 às 09h05
Vem aumento? Alta do diesel acelera defasagem e eleva risco de desabastecimento

Petrobras está há 55 dias sem fazer reajustes de preços para o mercado interno, o que inibe importações por empresas de menor porte