Como proteger seu dinheiro no último trimestre

Com inteligência financeira, dá para driblar o cenário econômico negativo e aproveitar o final de ano em que o Brasil volta à normalidade após a pandemia

ECO - Rio de Janeiro (RJ) - 23/09/2021 - ANTECIPAÇÃO DAS VENDAS DE ALIMENTOS E DECORAÇÃO DE NATAL PARA SETEMBRO. - Supermercado Zonal Sul, Barão da Torre, 201. - Ipanema. Na foto: Torre de Panetone. Foto: Maria Isabel Oliveira / Agência O Globo.
Supermercado na zona Sul do Rio de Janeiro se prepara para receber os clientes em suas compras de final de ano (Foto: Maria Isabel Oliveira/Agência O Globo)

Já são 156,6 milhões de brasileiros totalmente vacinados contra a Covid-19 no país (74,4% da população), e a pandemia se enfraquece dia após dia. A perspectiva de se reunir no Natal, celebrar um Réveillon muito simbólico – que oxalá marque a passagem de um período terrível para uma rotina mais parecida com a que antes chamávamos de normal – e viajar nas férias volta a animar as famílias. Mas o cenário econômico inspira cautela.

A inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) deve fechar 2021 em 9,33%, segundo a pesquisa Focus, realizada semanalmente pelo Banco Central com analistas do mercado financeiro. Se a projeção se confirmar, será a maior alta desde 2015, quando bateu em 10,67%. Não há quem não tenha notado que o dinheiro encolheu e vem sobrando mais mês no final do salário.

Para tentar domar a inflação, a principal ferramenta de que o BC dispõe é a taxa de juros. A Selic, que é a referência para todas as operações de crédito no Brasil, subiu de 2% no início do ano para 7,75%, e deve acabar o ano em 9,25%, de acordo com as previsões da Focus. No entanto, parte da inflação atual é resultado da escassez global de matérias-primas e alimentos, então a arma dos juros pode não ser suficiente para segurar os preços.

Os juros em alta atrapalham a retomada da economia após a desaceleração forçada pela pandemia, pois desencorajam investimentos por parte das empresas e encarecem as compras parceladas das famílias. Assim, vai demorar mais para que os atuais 14,4 milhões de desempregados (14,1% da população economicamente ativa), de acordo com o IBGE, encontrem uma ocupação.

A instabilidade política decorrente das movimentações com vistas à eleição de 2022 também ajuda a alimentar um sentimento de preocupação que pode atrapalhar a alegria do final de ano. Como administrar o orçamento para conseguir pagar as contas e ainda curtir as festas? Como garantir que os investimentos vão continuar rendendo?

Muita calma nesta hora! Leia a seguir duas reportagens que vão orientar sobre como agir neste momento:


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente