Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

As principais bolsas europeias e os futuros dos índices de ações em Nova York exibem ganhos moderados nesta manhã, antes da divulgação da ata da reunião mais recente do Federal Reserve. No documento, os investidores estarão em busca de detalhes sobre o caminho dos próximos aumentos da taxa de juros nos Estados Unidos.

Às 7h37, o índice Stoxx Europe 600 subia 0,41%, aos 433.34 pontos. Nas bolsas, Paris avançava 0,24%, aos 6.268 pontos, e Frankfurt tinha alta de 0,25%, aos 13.954 pontos. Já o índice britânico FTSE 100 crescia 0,63%, aos 7.532 pontos, impulsionado pelas ações de mineradoras e petrolíferas, em meio à alta nos preços das commodities.

Ainda assim, os ganhos são moderados, com a cautela dominando o sentimento nos negócios, antes da ata do Fed. A expectativa é de que o documento, a ser divulgado à tarde, forneça mais sinais aos investidores sobre as perspectivas dos formuladores de política monetária nos EUA sobre a economia e a inflação.

“O mercado está precificando que desaceleração que eventualmente virá no ritmo de aperto do Fed”, comenta Antonio Cavarero, chefe de investimentos da Generali Insurance Asset Management.

Vale lembrar que no encontro de maio, o Fed acelerou o ritmo de alta da taxa de juros, para meio ponto percentual (pp), depois de ter iniciado o ciclo de aperto em março com uma dose menor, de 0,25 pp. No encontro, a autoridade monetária também indicou um novo aumento de mesma magnitude na próxima reunião, em junho.

À espera do documento, no pré-mercado em Nova York, o futuro do índice Dow Jones oscilava em baixa de 0,11%, enquanto o do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%.

Wall Street completa hoje cem dias de pregão em 2022, uma marca que será lembrada pela turbulência histórica em Nova York. Os índices Dow Jones e S&P 500 caminham para registrar o pior início de ano desde 1970, enquanto o Nasdaq deve amargar o pior início de ano desde sempre.

Ontem, o alerta de resultados da Snap, dona da rede social SnapChat, pesou no humor dos investidores, que estão cada vez mais preocupados com o impacto da inflação elevada e do ciclo de alta dos juros pelo Fed na lucratividade das empresas.

Para Ewout van Schaick, chefe de multiativos da NN Investment Partners, as expectativas de inflação extremamente altas são um sinal de alerta para banqueiros centrais e investidores este ano. “Parece que estamos no início de um novo ciclo de negócios, mas ainda é cedo para dizer se a inflação será estruturalmente alta nos próximos anos”, disse.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 16h27
Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos

Redação IF Publicado em 23.jun.2022 às 15h19
Seca de IPOs brasileiros traz 1º semestre mais fraco desde 2016

Nenhuma empresa brasileira abriu capital neste ano até dia 20 de junho, contra 29 transações que levantaram US$ 6,9 bilhões no mesmo período no ano passado

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 19h23
‘Timing’ para estreia na Nasdaq foi excelente, diz CEO do Inter; ações fecham em forte queda em NY

O primeiro dia foi negativo para os ativos, fechando com uma forte baixa de 12,56%, a US$ 3,48