Análise: O que têm a ver Moraes e Musk na estratégia de Bolsonaro? Tudo

Com a economia em dificuldades, presidente busca mudar a conversa

Elon Musk, o bilionário Sul Africano visitou o presidente Jair Bolsonaro.
Elon Musk, o bilionário Sul Africano visitou o presidente Jair Bolsonaro. – Fotos de Evaristo Sá e Angela Weiss/AFP)

É de conhecimento geral que o embate do presidente Jair Bolsonaro (PL) com o Supremo Tribunal Federal (STF) não surgiu agora. Mas essa semana demonstrou claramente quais são os reais objetivos do Planalto com essa briga.

Primeiro, o presidente concedeu a graça constitucional a um deputado condenado por atacar o Judiciário. E nesta semana produziu mais um fato político ao enviar ao STF e à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma notícia-crime contra o ministro Alexandre de Moraes acusando-o de “abuso de autoridade”. No STF, essa acusação foi rapidamente arquivada pelo ministro Dias Toffoli.

E, nesta sexta-feira (20/5) Bolsonaro teve um encontro com o bilionário Elon Musk, que está envolvido em uma conturbada negociação para compra do Twitter. O que tem a ver uma coisa com a outra? Tem tudo a ver.

Bolsonaro está na posição mais difícil do seu governo do ponto de vista econômico, com a inflação corroendo o poder de compra dos brasileiros e afetando todas as classes sociais. Esse é um problema com o qual ele não consegue lidar de forma efetiva. Já tentou mexer na política de preços da Petrobras, já lançou mão de medidas para tentar baixar outras tarifas, culpa os governadores e a guerra pela crise, mas não muda a percepção das pessoas de que as coisas estão piorando para o bolso. E isso é decisivo para suas chances de vencer a eleição.

O que o presidente faz diante desse impasse? Ele tenta permanentemente mudar a pauta. Ou seja, em vez de falar de inflação, é preciso encontrar outro tema que engaje, mobilize e possa criar o antagonismo com seu principal adversário, Lula (PT), que lidera as pesquisas.

É nesse ponto que entra o Supremo, Alexandre de Moraes e, também, Elon Musk. Bolsonaro quer potencializar o debate sobre o que ele chama de “liberdade de expressão”.

É um assunto que une todos esses atores mencionados no texto. O caso do deputado Daniel Silveira, a notícia-crime que o presidente enviou ao STF, o questionamento sobre a segurança das urnas eletrônicas, as plataformas de redes sociais e o apoio, ao menos simbólico, do homem mais rico do mundo e que de alguma maneira representa o establishment econômico global.

Para Bolsonaro, é fundamental mostrar que esse tema, a liberdade de expressão, é mundial e mais importante que qualquer outro, inclusive de natureza econômica. É a pauta que ele deseja ver no centro do debate eleitoral. E tirar a foto com Musk, cuja agenda está totalmente alinhada a esse pleito do presidente, representa, na visão do Planalto, um gol de placa.

Já a foto do cumprimento com Moraes, feita num evento público nesta quinta-feira (19/5), serve para transformar o ministro, que vai presidir o TSE no segundo semestre, num inimigo pessoal do bolsonarismo, jogando mais suspeitas sobre as eleições.

(Por Fabio Zambeli, analista-chefe do JOTA em São Paulo)

Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 24.jun.2022 às 21h08
ANÁLISE: Por que suspeita sobre Bolsonaro vazar informações para Milton Ribeiro não deve ter consequências jurídicas?

Outros casos de suspeita de corrupção e de interferência na PF envolvendo o presidente não avançaram na Justiça, diz Felipe Recondo, do JOTA

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h45
Diesel e gasolina sobem e preços nos postos atingem recorde histórico, diz ANP

Diesel sobe pela terceira semana seguida. Gasolina inverteu movimento de queda e teve nova alta

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 18h10
Datafolha: Lula tem 47% no primeiro turno, contra 28% de Bolsonaro

A pesquisa ouviu 2.556 pessoas nos dias 22 e 23 de junho em 181 cidades brasileiras; margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos

JOTA Publicado em 23.jun.2022 às 17h02
ANÁLISE: Medidas sobre combustíveis não explodem situação fiscal, mas pioram percepção sobre o país

Forma apressada e eleitoreira como as propostas vêm sendo trabalhadas reduzem benefícios das iniciativas, diz Fabio Graner, do JOTA

Redação IF Publicado em 23.jun.2022 às 13h09
Desembargador manda soltar ex-ministro Milton Ribeiro

Ex-titular da Educação foi preso pela Polícia Federal na operação Acesso Pago

JOTA Atualizado em 23.jun.2022 às 11h32
ANÁLISE: Prisão de ex-ministro desorganiza base fiel a Bolsonaro em momento crítico

Presidente tenta capitalizar com suposta isenção da PF, mas aliados admitem abalo no discurso eleitoral, segundo Fábio Zambeli, do JOTA