Renda fixa volta às carteiras com Selic a 6,25%

Investimentos conservadores – como o Tesouro Selic, os fundos DI e o CDB – voltaram a ter rentabilidades atrativas. É hora de colocar na carteira? Saiba no podcast Educação Financeira!

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou a taxa básica de juros (Selic) em 1 ponto percentual na última quarta-feira (22). Com isso, a Selic passou para 6,25% ao ano.

Segundo o último Boletim Focus do Banco Central, a inflação prevista para 2021 é de 8,35%, enquanto a Selic deve fechar o ano em 8,25%. O Copom já sinalizou, em seu último comunicado, que deve haver mais uma alta de 1 ponto percentual em outubro.

No patamar de 6,25% ao ano, a Selic já não perde para a inflação oficial projetada para os próximos 12 meses (de 4,93%, segundo o último Focus). Assim, as aplicações de renda fixa pós-fixada voltam a ganhar os holofotes e a despertar o interesse do investidor pessoa física.

Os investimentos conservadores estão de fato voltando a ter rentabilidades bem atrativas. É o caso do Tesouro Selic (LFT), dos fundos DI e de títulos bancários, como os CDB, LCI e LCA pós-fixados. Ouça as dicas de analistas antes de fazer os seus próximos investimentos.

Leia a seguir

Leia a seguir