Retomada do turismo: o que esperar das ações da CVC (CVCB3), Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4)?

Números mostram crescimento do setor; entenda se é hora de investir

As viagens parecem ter sido incluídas novamente nos planos dos brasileiros. Dados do Conselho de Turismo da FeComercioSP mostram que o faturamento do turismo nacional foi de R$ 54,9 bilhões no primeiro trimestre de 2023, um crescimento de 25,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Em março, o faturamento do setor foi o melhor para o mês desde 2015: R$ 18,5 bilhões.

Luciana Ikedo, educadora financeira e sócia do escritório RV4 Investimentos, explica que a vontade de viajar aumentou depois do término do período de isolamento social. “Podemos confirmar esses dados no último Raio X do Investidor, pesquisa realizada pela Anbima e Datafolha, que revelou que 11% dos que investiram pretendem usar o valor ou os rendimentos para viajar. Esse percentual é superior ao objetivo de utilizar o recurso na velhice/aposentadoria, por exemplo”.

Os números indicam, portanto, o início de uma retomada do setor. “O turismo local está crescendo em um contexto onde o dólar, mesmo cotado a cerca de R$ 4,90, continua alto comparado à alguns anos atrás. Os brasileiros estão voltando a viajar dentro do país”, ressalta João Fouad, fundador e CEO da Highline Venture Builder. 

É hora de investir nas ações do setor de turismo?

Para responder essa pergunta, é importante trazer um contexto do atual momento do mercado. Bruno Rocio, planejador financeiro CFP® e assessor de investimentos da Raro, escritório credenciado à XP Investimentos, ressalta que o mês de maio foi marcado por importantes eventos de políticas monetária e fiscal.  

“No primeiro caso, o Banco Central decidiu manter a taxa Selic estável em 13,75%, mas abriu as portas para o início do ciclo de corte de juros no segundo semestre de 2023.  Em relação à política fiscal, o novo Arcabouço foi finalmente aprovado pela Câmara e seguirá para o Senado, onde deve também ser aprovado em junho. No Brasil, as principais altas no mês passado foram nos setores sensíveis às taxas de juros.”, explica o assessor.  

Bruno ressalta que, de acordo com analistas da XP, pode ser hora de começar a adicionar algum risco às carteiras de investimento para investidores com o perfil adequado, mas ainda com uma visão seletiva. “Existe espaço para o Brasil ir bem se as taxas de juros caírem ainda mais em direção a níveis normalizados”.  

No geral, o mercado permanece cauteloso. “As taxas de juros ficarão em dois dígitos por um tempo, o que significa que empresas altamente alavancadas podem continuar sofrendo. Além disso, o ruído político continua no radar, com a reforma tributária potencialmente sendo discutida no segundo semestre de 2023. E, é claro, ainda existem riscos de recessão no exterior, com o crescimento dos Estados Unidos desacelerando”, afirma Bruno.  

Ações de companhias aéreas acima do Ibovespa 

As companhias aéreas listadas na bolsa também acompanharam os bons números do setor de turismo, com ganhos maiores aos do Ibovespa nos primeiros cinco meses deste ano. Enquanto as ações da Azul (AZUL4) subiram mais de 90% no ano, a Gol (GOLL4) registrou alta de mais de 40% no mesmo período. 

“O aumento de voos traz um potencial imediato de valorização dessas ações. Por outro lado, essas empresas ainda sofrem o reflexo da pandemia e dos altos custos vindos de uma crise global de inflação e também uma adequação do mercado de crédito internacional às companhias de todo o mundo, principalmente as listas em bolsa. Por isso, há sim espaço para valorização”, afirma Luciano Bravo, CEO da Inteligência Comercial e Country Manager da Savel Capital Partners. 

O que dizem os analistas sobre as ações do setor de turismo?

No final das contas, o que você deve estar se perguntando é: “devo, então, comprar ações do setor de turismo?”. Não necessariamente. “Dentro de uma visão seletiva na escolha das ações, apesar do potencial de retomada do setor de turismo, no geral, não existe uma recomendação de compra de ações relacionadas”, ressalta o assessor de investimentos Bruno.  

Ele destaca que os setores de aéreo e turismo são altamente dependentes do crescimento econômico doméstico. “Existem ainda desafios estruturais dentro desses setores e também características específicas de cada empresa”. 

Já Luciano Bravo recomenda que aqueles que já têm ações compradas mantenham os papéis na carteira. “Pelo potencial de valorização, não é hora de vender. Falando de compra, divido em dois tipos de investidor. Para o mais conservador, não acredito que esse seja o momento. Aquele que aceita um pouco mais de risco, que eu chamo de conservador moderado, pode considerar o investimento”, ressalta.  

Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3): é hora de comprar? 

Apesar das perspectivas de melhora das margens das duas companhias, tanto a Azul (AZUL4) quanto a GOL (GOLL4) têm recomendações neutras pela área de análise da XP Investimentos. “Lembrando que aviação comercial é um setor com intensa competitividade, caracterizado por disputas tarifárias. Por mais que as empresas do segmento desenvolvam programas de fidelidade, os passageiros com maior flexibilidade de horário geralmente optam pela companhia que oferece a menor tarifa. Isso, por sua vez, impacta de forma direta as margens das empresas aéreas em geral”, ressalta Bruno Rocio. 

Já a CVC, apesar da alta dos papéis depois do anúncio do novo CEO e do aporte de R$ 75 milhões da Mar Holding Participações S/A, ainda deve enfrentar desafios.

“Segundo analistas do JP Morgan, apesar do anúncio ser positivo, existe uma perspectiva operacional desafiadora além do balanço patrimonial esticado, limitando seu potencial. A recomendação do banco para as ações da empresa é underweight, ou seja, equivalente à venda”, destaca Bruno.

No momento, na visão do assessor, o ideal é adotar uma estratégia seletiva para aproveitar as melhores oportunidades que o mercado apresenta.