O que são investimentos alternativos? E será que eles funcionam para o seu perfil?

Eles ganharam força quando os juros caíram a 2% ao ano, mas será que fazem sentido ainda?

Cripto, joias, ouro, imóveis, private capital, venture capital: afinal, você sabe o que são investimentos alternativos e para quem são indicados? Os investimentos alternativos começaram a ter mais visibilidade na época em que a taxa Selic caiu substancialmente, chegando a 2% ao ano, entre agosto e março de 2020 e 2021.

Nesse período, como a renda fixa estava dando pouco retorno aos investidores, eles, então, começaram a buscar novas alternativas para ter mais rentabilidade. Foi assim que os investimentos alternativos começaram a despontar como uma possibilidade de diversificar o portfólio e, assim, tentar trazer mais rentabilidade para a carteira.

Mas enquanto algumas modalidades que se enquadram nessa categoria já são velhas conhecidas do investidor, como investimento em ouro ou em imóveis, outras são mais novas e ainda despertam muitas dúvidas. A seguir, saiba mais sobre esta categoria.

O que são investimentos alternativos?

Investimentos alternativos não fazem parte dos mercados tradicionais e não se enquadram nas categorias de ativos, como renda fixa ou renda variável.

Quem explica melhor é o planejador financeiro CFP Carlos Castro, vice-presidente do Conselho de Normas Éticas da Planejar e sócio da empresa de planejamento financeiro SuperRico:

“Por que um investimento é chamado alternativo? Porque é uma classe normalmente descorrelacionada com o cenário econômico. Enquanto a renda fixa tem uma correlação, a renda variável tem uma correlação, o multimercado tem uma correlação, os alternativos não têm isso. Exemplificando. Em linhas gerais, se o juro fica alto, a renda fixa sobe e a bolsa cai. No caminho inverso, se o juro fica baixo, a bolsa sobe e o pós cai. Já o investimento alternativo não segue necessariamente o cenário econômico, pois ele tem características próprias. Desse modo, só é possível analisar o desempenho do investimento alternativo com o alternativo da mesma categoria. Por exemplo: criptoativo com criptoativo.”

Quais são os tipos de investimentos alternativos?

Foto de uma moeda de bitcoin, ou BTC, dourada ao lado de uma moeda de Ethereum, ou ETH, também dourada, sobre um fundo preto. A matéria explica se vale a pena investir em um ou outro.
Foto: Quoteinespector/Flickr

Os investimentos alternativos não constituem uma única classe, mas abrangem vários tipos de ativos, que podem estar em setores diferentes, como infraestrutura, energia, saneamento, transporte e logística, mercado imobiliário, moedas, etc. Alguns exemplos são:

Criptomoedas ou moedas digitais

Entre os investimentos alternativos mais conhecidos, destacam-se as criptomoedas ou moedas digitais. Dentre elas, a mais famosa é o Bitcoin.

Commodities

Muitas vezes, investir em uma commodity pode ser uma estratégia para montar sua reserva de valor. As opções incluem produtos físicos como ouro, prata, petróleo, grãos, entre outros. Os investidores podem comprar commodities diretamente ou por meio de contratos futuros.

Investimento em imóveis

Os investidores buscam comprar o imóvel para obter renda de aluguel. Exemplo: compra de escritórios, de salas comerciais, ou mesmo de imóveis residenciais.

Private equity (capital privado)

Esse tipo de investimento envolve empresas que não estão listadas na bolsa de valores. O investidor compra parte do capital social da empresa esperando obter valorização e retorno financeiro no futuro. No private equity, o investidor obtém uma participação mais direta na gestão financeira e administrativa da empresa.

Venture capital

No venture capital, o investidor aplica seu dinheiro em startups ou empresas em expansão com probabilidade de ter um alto potencial de crescimento.

Crowdfunding

Investimento em financiamento coletivo com vista a viabilizar financeiramente algum projeto. Veja como funciona o crowdfunding.

Arte e itens de colecionador

Investir em peças exclusivas, como uma bolsa de luxo, joias, relógios, obras de arte ou itens de colecionador, como carros antigos ou selos, também é uma forma de investimento alternativo. Nesse caso, o investidor busca adquirir peças que devem se valorizar ao longo do tempo para, assim, obter retorno financeiro.

Precatórios

Precatórios são títulos que reconhecem publicamente a existência de uma dívida judicial do poder público (municipal, estadual e federal) junto a uma pessoa física ou jurídica. Nesse tipo de investimento, o investidor adquire o direito ao precatório, tornando-se o credor de parte ou de toda a dívida. Saiba mais sobre como funciona o investimento em precatórios.

Qual é a diferença entre investimentos alternativos e os tradicionais?

O que diferencia os investimentos alternativos dos investimentos tradicionais em renda fixa e renda variável? Praticamente todas as características destes investimentos são diferentes.

Enquanto os investimentos tradicionais como títulos do Tesouro, caderneta de poupança, CDB, ações ou fundos são de fácil acesso e estão amplamente disponíveis e acessíveis ao público em geral, os investimentos alternativos são negociados por meio de plataformas mais ou menos exclusivas, como fintechs ou casas especializadas.

Além disso, os investimentos alternativos têm uma perspectiva de retornos maiores, mas o risco também é maior. E a liquidez (facilidade de transformar o ativo em dinheiro vivo) desse tipo de investimento tende a ser muito baixa.  

Assim, a correlação com o mercado é alta nos investimentos tradicionais, ela é baixa ou até inexistente nos investimentos alternativos.

Outro ponto interessante é que, no investimento tradicional, o acionista, quando existe, tem uma atuação bastante passiva, tornando-se quase um espectador do investimento. Já no investimento alternativo, esse acionista pode ser bastante ativo, interferindo diretamente na gestão da empresa, quando é o caso.

Investimento alternativo é para todo mundo?

Não. De acordo com Carlos Castro, se um investidor tiver perfil mais conservador, dificilmente vai haver espaço em sua carteira para uma classe alternativa. “O investidor de perfil conservador deve investir predominantemente na renda fixa e um pouco em renda variável. Mas, na medida em que o perfil vai mudando para moderado, agressivo ou arrojado, aí sim sobra espaço para os investimentos alternativos”, diz. “Mas ainda assim, esses investimentos devem ser apenas uma parte da diversificação da carteira”.

A imagem abaixo mostra a sugestão de carteira de investimentos recomendada pela SuperRico para cada perfil de investidor: conservador, moderado e agressivo.

No caso do perfil conservador, a exposição a investimentos alternativos é 0%. Para o perfil moderado, a exposição máxima é de 12,5% do total de investimentos. Já os investidores de perfil agressivo poderiam investir até 17,5% nessa categoria.

Quais os impostos que incidem sobre os investimentos alternativos?

Como os investimentos alternativos são muito diferentes entre si, a tributação vai variar de acordo com o tipo de ativo financeiro.

Leia a seguir

Leia a seguir