Via (VIIA3), dona da Casas Bahia, planeja fechar até 100 lojas

A varejista teve prejuízo líquido de R$ 492 milhões no 2º trimestre

A Via (VIIA3), dona da Casas Bahia e do Ponto, divulgou na quinta-feira (10) o seu balanço do segundo trimestre de 2023 com um prejuízo líquido de R$ 492 milhões.

O resultado reverte o lucro de R$ 6 milhões apresentado no mesmo período de 2022.

A empresa garante, porém, que um novo ciclo está por vir e aproveitou o momento para divulgar o plano de ação da nova gestão da companhia.

“No segundo trimestre, ainda não tivemos impactos das mudanças que começamos a implementar. Ele ficou dentro das expectativas do mercado. Com a companhia do tamanho que estava, o resultado é de prejuízo”, disse o CEO da empresa, Renato Franklin, ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O Ebitda ajustado foi de R$ 469 milhões, com queda de 32% frente ao reportado de abril a junho de 2022, com margem de 9%, 2,7 pontos porcentuais (p.p.) menor do que um ano atrás.

A receita líquida, por sua vez, caiu 2%, chegando a R$ 7,5 bilhões.

Franklin diz que o período foi prejudicado pela menor demanda por itens de maior valor agregado, que sofrem em momentos de restrição de crédito ao consumo, dado que a população estava altamente endividada.

Além disso, a margem bruta da empresa – que caiu 2,9 pontos porcentuais (p.p.), para 31,4% – teve impactos marginais do início da venda de estoque em promoção que a nova gestão começou a fazer.

“Passamos por uma mudança de mentalidade. Antes o foco estava em ganho de GMV (vendas brutas) e aumento de canais de vendas, em crescer o negócio. Agora, o foco muda para gerar resultados”, afirma o novo CEO, à frente da companhia desde a última divulgação de resultados.

Para ele, a escolha que a empresa tinha era de investir mais para crescer, ou usar o que já se tinha à mão para, em suas palavras, “ganhar dinheiro”.

Nesse sentido, nos últimos meses, a companhia demitiu 6 mil pessoas, o que, nas contas da empresa, gerou uma economia de R$ 370 milhões para a companhia.

Além disso, a empresa agora deve trabalhar com estoques menores.

“O intuito agora é comprar aquilo que vendemos mais rapidamente”, afirma Franklin.

Fechamento de lojas

Para frente, os planos de liberar mais orçamento continuam. A empresa deve fechar de 50 a 100 lojas que não têm apresentado bons resultados, além de migrar categorias de produtos que não geravam vendas rentáveis para o shoppings virtual da companhia, quando lojistas parceiros vendem seus produtos na plataforma da companhia.

Nesse caso, a empresa só fica com uma porcentagem da venda, sem ter o custo de arcar com o estoque.

Com essas mudanças, a empresa deve acrescentar ao lucro antes do imposto de renda (LAIR), mais de R$ 1 bilhão.

A redução de estoques tem ainda o potencial de liberar R$ 1 bilhão em caixa para a empresa.

Na estrutura de capital, como adiantado pela Coluna do Broadcast, a companhia se programa para mudar a forma como financia seu crediário.

Em vez de financiar as compras dos clientes por meio do carnê e adiantar esses valores com os bancos, a companhia vai passar a buscar recursos em Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (Fidcs) para custear o parcelamento das compras de seus clientes.

Assim, a empresa pretende liberar R$ 5 bilhões de limite de crédito com os bancos.

Ao todo ainda se espera a monetização de ativos de até R$ 4 bilhões em 2023. Serão mais R$ 2,5 bilhões de créditos fiscais que, se o plano correr como o esperado, se tornarão dinheiro para a empresa.

Soma-se a isso o R$ 1 bilhão pretendido com a liberação de estoques e mais R$ 500 milhões em vendas de imóveis e outros ativos.

Com informação do Estadão Conteúdo