Ronaldinho Gaúcho nega ser fundador ou sócio de empresa de pirâmide financeira

O ex-jogador de futebol prestou depoimento à CPI na Câmara que apura golpes e fraudes no mercado brasileiro

O ex-jogador de futebol Ronaldo de Assis Moreira, o Ronaldinho Gaúcho, negou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pirâmides Financeiras, nesta quinta-feira (31), que seja fundador ou sócio da empresa 18k Ronaldinho Comércio e Participações Ltda, diferentemente do que vem sendo divulgado pelo colegiado.

“Eu nunca fui sócio da empresa 18k Ronaldinho Comércio e Participações Ltda. Os sócios de tal empresa são os senhores Raphael Horácio Nunes de Oliveira e Marcelo Lara Marcelino. Eles utilizaram indevidamente meu nome para criar a razão social dessa empresa”, afirmou.

“Inclusive, já fui ouvido pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil do Rio de Janeiro na condição de testemunha”, acrescentou.

Ele disse que, além de não ser sócio, jamais autorizou o uso de seu nome e imagem pela empresa e foi vítima dos sócios da empresa.

Segundo Ronaldinho, em 2016, foi realizado contrato com a empresa americana 18k Watch Corporation, para a criação de uma linha de relógios com a imagem dele.

Já em julho de 2019, ele assinou contrato com a empresa brasileira 18k Watch Comércio Atacadista e Varejista de Negócios, de propriedade de Marcelo Lara, autorizando o uso de imagem para outros produtos além do relógio, mas esse contrato foi rescindido em outubro de 2019. 

“Esse contrato nem sequer chegou a ser executado”, alegou.

Conforme Ronaldinho, em 2020 chegou ao conhecimento do seu irmão, Roberto de Assis Moreira, que a sua imagem estava sendo usada, indevidamente, pela empresa 18k Ronaldinho Comércio e Participações Ltda, que fazia compra e venda de moedas bitcoins.

“Nunca foi autorizado que essa empresa utilizasse meu nome e minha imagem”, reiterou.

Ronaldinho relatou que encontrou Marcelo Lara, sócio da 18k Ronaldinho, duas vezes, em dias de gravação das propagandas de relógio, e que nunca se encontrou com Rafael Horácio. 

Silêncio diante das perguntas

No início da sessão, o presidente da CPI, deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), destacou que o jogador foi convocado à CPI por ter usado sua credibilidade para levar milhares de brasileiros a investir suas economias em uma empresa que prometia lucro fácil, claramente uma pirâmide financeira – a empresa 18k.

“O senhor acha que a acusação que o senhor responde no Ministério Público Federal, na Justiça, sobre a 18k Ronaldinho é sem fundamento?”, questionou o deputado.

“Vou ficar em silêncio”, respondeu Ronaldinho.

O parlamentar também perguntou se o depoente pretende ressarcir os investidores da empresa 18k e novamente Ronaldinho disse que ficaria em silêncio.

Ele também quis saber se o ex-jogador já fez alguma propaganda para a 18k Ronaldinho, e o depoente respondeu que não. 

“Não digo o nome empresarial, digo o nome fantasia”, especificou Aureo Ribeiro. “Vou ficar em silêncio”, respondeu Ronaldinho.

“O senhor afirma que nunca fez propaganda para a 18k Ronaldinho?”, perguntou novamente o parlamentar. “Para os relógios sim”, respondeu o ex-jogador.

“Por que, mesmo o senhor dando nome à empresa, sendo seu embaixador, não há registro da sua ligação com a 18k Ronaldinho nem na Receita Federal e nem na Junta Comercial do Estado de São Paulo?”, questionou o presidente da CPI. Novamente, o depoente ficou em silêncio.

Ronaldinho também ficou em silêncio quando questionado sobre a ação civil pública contra ele, cobrando o valor de R$ 300 milhões em danos morais e materiais aos prejudicados pela empresa.

Uso indevido de imagem

Já o relator da CPI, deputado Ricardo Silva (PSD-SP), que pediu a oitiva com o atleta, lembrou que o site da 18k Ronaldinho, em 2019, anunciava trabalhar com criptomoedas e prometia a seus clientes rendimentos de até 2% ao dia, baseados em operações com moedas digitais. 

Em outubro de 2019, no entanto, a empresa foi apontada pelo Ministério Público Federal como pirâmide financeira. Na ocasião, Ronaldinho Gaúcho se defendeu afirmando que teve sua imagem usada indevidamente e que também teria sido lesado.

Sem processo

Ricardo Silva quis saber se Ronaldinho processou a empresa por uso indevido de imagem. Ronaldinho disse que o irmão dele cuidava dessas questões, e o deputado lembrou que, em seu depoimento à CPI, o irmão do ex-jogador afirmou que não havia entrado com ação.

O relator exibiu várias campanhas publicitárias de criptoativos em que Ronaldinho aparece, mas Ronaldinho novamente alegou que a empresa usou indevidamente as imagens feitas para as campanhas do relógio.

“Mesmo o senhor tendo ciência de que estavam usando sua imagem para oferecer dinheiro até 2% ao dia, o senhor se calou diante disso? Eu fico perplexo com o uso da imagem do senhor numa campanha tão ostensiva e criminosa, e o senhor não fez absolutamente nada com isso?”, perguntou Ricardo Silva.

O depoente ficou em silêncio e assim permaneceu quando questionado se percebeu que milhares de pessoas estavam sendo vítimas de uma fraude. 

O deputado Caio Vianna (PSD-RJ) exibiu vídeo em que Ronaldinho participa de um programa de TV em que o entrevistador pergunta se ele acredita nos negócios de uma empresa que usa seu nome. Ronaldinho responde que “não usa seu nome para coisa ruim”.

Vianna ressaltou que lhe “causa estranheza” o ex-jogador ver o suposto uso indevido de sua imagem pela empresa 18k Ronaldinho Comércio e Participações e não processar os causadores do dano.

Outros deputados também estranharam Ronaldinho não ter acionado a empresa. “Assim que a polícia encontrar esses dois”, disse o ex-jogador referindo-se aos sócios da empresa, “vou processá-los com certeza”.

Nem o Ministério Público de São Paulo nem a CPI conseguiram localizar os sócios da empresa até agora.

O deputado Alfredo Gaspar (União-AL), por sua vez, perguntou se o irmão de Ronaldinho, Roberto de Assis Moreira, que cuida de seus negócios, já havia lhe colocado “em enrascada”. “Nem sempre as coisas saem certo, mas acredito que ele sempre tentou fazer o melhor”, limitou-se a responder o atleta.

A comissão

A comissão foi instalada em junho e tem 120 dias para concluir os trabalhos. Prazo que pode ser prorrogado por mais 60 dias, desde que haja requerimento assinado por 1/3 dos deputados.

A CPI  investiga esquemas de pirâmides financeiras com o uso de criptomoedas.

Segundo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ao todo, 11 empresas teriam realizado fraudes utilizando moeda digital, como a divulgação de informações falsas e promessa de rentabilidade alta ou garantida para atrair as vítimas e sustentar o esquema de pirâmide.

Com informações da Agência Câmara de Notícias