Ibovespa cai pela 11ª vez seguida; dólar sobe a R$ 4,98

Ibovespa desce com piora do cenário externo; dólar mantém trajetória de alta

O Ibovespa abriu em alta nesta terça-feira (15), tentando interromper a sequência de dez quedas consecutivas, mas devolveu os ganhos do dia e encerrou o pregão mais uma vez – a décima primeira – no vermelho. O índice registrou queda de 0,55%, aos 116.171 pontos.

O dólar, por sua vez, teve mais uma alta consecutiva. A moeda norte americana se valorizou em 0,42% frente ao real e encerrou o pregão cotada a R$ 4,986.

O pregão desta terça-feira foi marcado pela volatilidade. No início do dia, a notícia de que a Petrobras deve aumentar o preço da gasolina e do diesel foi bem-recebida pelo mercado. Na contramão da bolsa, as ações PN da petroleira (PETR4) fecharam o dia positivas em 0,91%. Os papéis ordinários (PETR3) contudo, recuaram 0,21%.

No câmbio, a divisa norte-americana se valoriza após aumento inesperado das vendas no varejo dos Estados Unidos. Cresceram, portanto, as apostas de que o Federal Reserve, banco central do país, mantenha os juros a 5,25% a 5,50% por mais tempo.

Outro fator externo que contribuiu para a 11ª baixa seguida no Ibovespa foi a fragilidade do crescimento na China. Dados divulgados na madrugada de segunda mostraram crescimento abaixo do esperado pelo mercado nos setores de varejo e indústria

Com indicadores ruins no gigante asiático, ações de exportadoras na bolsa, como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3;PETR4), tendem a cair, diz o analista Leonardo Santana, da casa de análises Top Gain.

Confira as cinco piores e melhores ações da bolsa

No volátil pregão desta terça, a ação da Ambipar (AMBP3) se destacou como maior alta da bolsa de valores. Os papéis da empresa subiram +14,50% após a divulgação de resultados do segundo trimestre, que foram lidos como positivos por investidores.

Na ponta oposta da bolsa de valores, a Recrusul ficou com a pior e a segunda pior posição na tabela. Os papéis ON (RCSL3) e PN (RCSL4) se desvalorizaram -18,94% e -17,34%, respectivamente.

Confira a lista das cinco melhores e piores ações do pregão. A lista contém apenas ações da Bovespa que tiveram volume transacional igual ou superior a R$ 1 milhão, e foi atualizada às 17h30. Alterações podem ocorrer até o fechamento desta matéria.

Melhores

  • Ambipar ON (AMBP3): +14,50%
  • Multilaser (MLAS3): +14,19%
  • Ser Educação (SEER3): +12,01%
  • Cruzeiro do Sul (CSUL3): +9,31%
  • Azevedo & Travassos ON (AZEV3): +9,21%

Piores

  • Recrusul ON (RCSL3): -18,94%
  • Recrusul PN (RCSL4): -17,34%
  • Sequoia ON (SEQL3): -16,84%
  • Gol PN (GOLL4): -12,50%
  • Banrisul PN (BRSR6): -7,90%

Bolsas nos Estados Unidos

Nos EUA, o mercado hoje recebeu com temores as novidades de que o Fed poderia alongar o ciclo de juros altos. Por lá, dados de inflação levaram à quedas generalizadas de Dow Jones, S&P e Nasdaq. Por outro lado, os treasury bonds dos EUA de 10 anos registraram alta de 4,2%.

O S&P teve a maior perda nesta terça, despencando de 1,16%, encerrando o pregão a 4.437 pontos. Em seguida, a Nasdaq teve queda de 1,14%, estacionando aos 13.631 pontos. Por fim, o Dow Jones teve perdas de 1,02%, aos 34.964 pontos.

Bolsas na Europa

As bolsas europeias fecharam a terça-feira em baixa após dados na China levantarem dúvidas sobre o ritmo de crescimento da segunda maior economia do planeta. Em destaque negativo, Londres e Frankfurt caíram às mínimas de um mês, com o mercado britânico particularmente pressionado pelos salários resilientes no Reino Unido, que sustentam expectativa por novo aumento de juros.

O FTSE de Londres caiu 1,57%, aos 7.389 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX fechou em queda de 0,86%, a 15.767,28 pontos; em Paris, o CAC 40 recuou 1,10%, a 7.267,70 pontos; em Madri, o índice Ibex 35 teve queda de 0,87%, a 9.347 pontos, e, em Lisboa, o PSI 20 caiu 0,63%, a 5.998 pontos. Na Itália, não houve negócios na Bolsa de Milão por conta de feriado nacional.

Com informações do Estadão Conteúdo