IF HOJE: mercado se prepara para prévia da inflação e ata do Fed

Investidores buscam pistas sobre o ciclo de aperto monetário promovido pelos BCs americano e brasileiro

Nesta semana, o mercado fica de olho na divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (o banco central americano) na quarta (25) e do IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15) de maio na terça (24).

Por que importa?

O documento do Fed é muito aguardado pelo mercado, que segue em busca de pistas sobre como se dará e que intensidade terá o ciclo de aperto monetário promovido pelo BC americano. Já a prévia da inflação brasileira é fundamental para economistas e analistas desenharem um cenário futuro e recalibrarem suas expectativas para o IPCA anual e para a Selic ao fim do ano.

Como impacta seus investimentos?

O mercado deve operar em compasso de espera nesta segunda-feira. Na terça, o IPCA pode mexer com ativos locais, especialmente com juros futuros e ações na Bolsa de Valores.

Fique por dentro:

Argentina, Suíça e Áustria confirmam casos de varíola do macaco e elevam para 15 número de países com registros

Argentina, Suíça e Áustria confirmaram os primeiros casos de varíola do macaco. Vários países europeus e os Estados Unidos também detectaram casos dessa doença endêmica na África Central e Ocidental. Com isso, sobe para 16 o número de países a confirmar pelo menos um caso da doença. Até agora, Reino Unido, França, Bélgica, Holanda, Alemanha (onde um dos infectados é um brasileiro), Itália, Suécia, Espanha, Portugal, Austrália, Estados Unidos, Canadá e Israel já têm registro. Questionado sobre o surto ao terminar uma visita à Coreia do Sul, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que todos devem se preocupar com o novo vírus. E acrescentou que os americanos já estão “trabalhando duro” para saber quais vacinas podem usar.

Ainda há potencial para surpresas e juros globais podem subir, avalia Santander Asset

O momento é de mudança no cenário global e exige cautela, na medida em que os bancos centrais de mercados desenvolvidos adotam uma postura favorável a um aperto das condições monetárias. “Temos uma situação atípica de acumulação de pressões inflacionárias, com efeitos que parecem levar a um ambiente de inflação que preocupa muito mais”, afirma o executivo-chefe de investimentos (CIO) da Santander Asset Management, Mario Felisberto. Em entrevista ao jornal Valor Econômico, ele revela uma postura mais cautelosa da gestora em relação aos ativos brasileiros, em especial nos mercados de juros e de ações, e aponta um viés um pouco mais construtivo em relação ao câmbio. Quanto ao exterior, Felisberto avalia que o ajuste nos mercados globais de juros foi relevante e que as taxas parecem estar próximas do que seria razoável. Apesar disso, ele enfatiza que ainda há um potencial de surpresa altista no lado dos juros, o que pode gerar efeitos adicionais de aversão a risco nos mercados financeiros e de busca por liquidez.

Para acompanhar hoje:

8h: Brasil – IPC-S (3ª Quadrissemana)
9h30: EUA – Fed de Chicago: Índice de atividade nacional de abril
13h: EUA – discurso de Raphael Bostic, presidente do Fed de Atlanta
15h: Brasil – balança comercial semanal
21h30: Japão – PMI industrial de maio

(Com Valor Econômico)

Leia a seguir

Leia a seguir