Fed: Bullard defende novo aperto; Kashkari pode apoiar manutenção da taxa de juros

Já Daly evita antecipar próximas decisões do BC americano e reforça ‘extrema’ dependência de dados

O Federal Reserve (Fed) precisa elevar os juros em mais 0,50 ponto percentual este ano para pressionar a inflação voltar para a meta de 2%, avalia o presidente da regional do banco central americano de St. Louis, James Bullard.

Segundo ele, duas altas de 0,25 ponto percentual seriam ideais. “Eu acredito que temos que subir mais para combater a inflação”, disse ele nesta segunda-feira em um fórum da Associação Americana de Gás Natural, na Flórida.

Bullard sugeriu que mesmo que ocorra uma pausa no aperto monetário em junho, isso não significa que o ciclo de alta do Fed terminou. “Se o mercado de trabalho está bom, acredito ser um bom momento para combater a inflação”, afirmou.

O banqueiro disse que o momento da alta ainda não está definido mas que ele defende o aumento dos juros “antes do que tarde demais”. “Você tem que exercer uma pressão descendente na inflação enquanto você pode e a inflação segue alta demais”, afirmou.

Manutenção da taxa

O presidente do Federal Reserve (Fed) de Minneapolis, Neel Kashkari, disse que poderia apoiar a manutenção das taxas de juros na próxima reunião do banco central para dar às autoridades mais tempo para avaliar os efeitos dos aumentos anteriores e as perspectivas de inflação.

“Estou aberto à ideia de que podemos nos mover um pouco mais devagar a partir daqui”, disse ele em entrevista na sexta-feira. “Eu me oporia a qualquer tipo de declaração de que terminamos o aperto monetário. Se o comitê optar por pausar (a alta de juros) em uma reunião porque queremos obter mais informações, eu poderia argumentar por que isso faz sentido. Pular para obter mais informações é muito diferente em minha mente do que [dizer] ‘Ei, achamos que terminamos'”, acrescentou ele.

Kashkari disse estar sensível ao impacto tardio dos rápidos aumentos de juros do Fed e a uma possível crise de crédito decorrente dos custos mais altos de financiamento bancário resultantes da quebra de três credores de médio porte desde março.

Além disso, embora a inflação não esteja caindo tão rapidamente quanto as autoridades esperavam, “ela parece estar caindo”, disse Kashkari. “Pelo menos não está piorando. E então você adiciona as incertezas sobre o setor bancário e as tensões realmente ficaram para trás? Ainda há mais tensões para surgir? Acho que isso nos dá algum motivo para dizer: ‘Ei, vamos um pouco mais devagar.'”

Segundo o banqueiro central, sua experiência como alto funcionário do Departamento do Tesouro durante a crise financeira de 2008 o tornou humilde o suficiente para reconhecer que “as tensões bancárias não estão necessariamente completamente para trás”, disse ele. “E pode ser que, quando essas tensões surgirem, elas se tornem sérias o suficiente para realmente prejudicar significativamente a atividade econômica”.

Se a inflação alta for mais persistente e exigir que o Fed mantenha as taxas em níveis mais altos por mais tempo ou continue a aumentá-las, então os estresses do setor bancário “provavelmente se tornarão mais sérios”, concluiu ele.

Dependência de dados

Presidente do Federal Reserve (Fed) de San Francisco, Mary Daly afirmou que é “prudente resistir à tentação” de antecipar quais serão os próximos passos da autoridade monetária americana.

Para ela, o momento atual é de “extrema dependência de dados” e foco em manter todas as opções em aberto para a política monetária. “Dizer o que faremos em junho ou no restante do ano é uma distração”, avaliou Daly durante evento organizado em conjunto pela Associação Nacional de Economia Empresarial (Nabe, na sigla em inglês) e o Banco da França.

A dirigente, que não tem direito a voto nas reuniões deste ano do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), afirmou que o Fed deve ficar atento a sinais de desaceleração do consumo, investimentos e deterioração do sentimento econômico, além, é claro, das medidas de inflação.

Daly ressaltou, especialmente, o chamado “super núcleo” da inflação, que inclui o setor de serviços, com exceção do mercado imobiliário.

Uma das principais razões para o Fed assumir uma postura cautelosa, segundo Daly, é o impacto ainda incerto da recente crise bancária nos EUA. Ela afirmou que parte do princípio de que o aperto no crédito equivale a uma ou duas altas de juros de 25 pontos-base.