FTX diz que pode ter mais de 1 milhão de credores em novo pedido de falência

Empresa pretende apresentar uma lista dos 50 maiores credores até sexta-feira
Pontos-chave:
  • No seu auge, a plataforma foi avaliada pelos investidores em US$ 32 bilhões e tinha mais de 1 milhão de usuários
  • Fracasso da empresa teve um efeito assustador no setor, com investidores vendendo suas posições e retirando fundos das bolsas

A plataforma de criptomoedas FTX pode ter mais de 1 milhão de credores, de acordo com um novo pedido de falência, sugerindo o enorme impacto de seu colapso para os investidores de criptomoedas.

Na semana passada, quando entrou com pedido de recuperação judicial, a FTX indicou que tinha mais de 100.000 credores com reivindicações contra a empresa.

Mas em um arquivo atualizado nesta terça-feira, os advogados da empresa disseram: “Na verdade, pode haver mais de um milhão de credores [impactados pelo pedido de falência]”.

O que a FTX vai fazer para acalmar os credores?

Normalmente, nesses casos, de acordo com a legislação dos EUA, os devedores são obrigados a fornecer uma lista dos nomes e endereços dos 20 principais credores sem garantia, disseram os advogados. No entanto, dada a escala de suas dívidas, o grupo pretende apresentar uma lista dos 50 maiores credores até sexta-feira.

Cinco novos diretores independentes foram nomeados em cada uma das principais empresas controladoras da FTX, de acordo com o documento, incluindo o ex-juiz distrital de Delaware, Joseph J. Farnan, que atuará como diretor independente principal.

Nas últimas 72 horas, a FTX entrou em contato com “dezenas” de reguladores nos EUA e no exterior, escreveram os advogados da empresa. Estes incluem o Gabinete do Procurador dos EUA, a Securities and Exchange Commission, a SEC, que é o guardião do mercado de capirais dos EUA, e a Commodity Futures Trading Commission, entidade que regula os mercados de futuros e opções.

Queda de preços e crise

Este ano, uma série de empresas de criptomoedas, incluindo Celsius e Voyager Digital, falharam ao enfrentar uma queda nos preços dos ativos digitais e os problemas de liquidez resultantes.

Em casos anteriores de falência, os comerciantes dessas plataformas foram designados como “credores não garantidos”, o que significa que provavelmente estarão no final de uma longa fila de entidades buscando reembolso, de fornecedores a funcionários.

Antes de seu colapso, a FTX oferecia a traders amadores e profissionais investimentos em criptomoedas, bem como negociações de derivativos mais complexas. No seu auge, a plataforma foi avaliada pelos investidores em US$ 32 bilhões e tinha mais de 1 milhão de usuários. O fracasso da empresa teve um efeito assustador no setor, com investidores vendendo suas posições e retirando fundos das bolsas.

Na segunda-feira, os CEOs da Binance e Crypto.com procuraram tranquilizar os investidores sobre a saúde financeira de seus negócios. Changpeng Zhao, da Binance, disse que sua exchange teve apenas um pequeno aumento nas retiradas, enquanto o chefe da Crypto.com, Kris Marszalek, disse que sua empresa tinha um “balanço tremendamente forte”.