Copom deve cortar Selic em 0,5 p.p. e sinalizar manutenção do ritmo, diz Goldman Sachs

Para o banco, colegiado deve sinalizar que manterá esse ritmo ao menos até a reunião seguinte

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve reduzir a taxa Selic em 0,5 ponto porcentual na próxima quarta-feira, segundo o Goldman Sachs.

Para o banco americano, o colegiado deve sinalizar que manterá esse ritmo de cortes ao menos na reunião seguinte, em 1º de novembro.

“Esperamos que o Copom mantenha uma barra relativamente alta para acelerar o ritmo de cortes no curtíssimo prazo”, afirma o diretor de pesquisa macroeconômica para América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos.

O economista lembra que as expectativas de inflação acima das metas, o crescimento resiliente da economia e o mercado de trabalho apertado ainda exigem “prudência” do BC na calibragem da política monetária. Também pesam contra uma aceleração do ciclo o aumento do risco fiscal e os riscos altistas para o IPCA via alimentos e combustíveis.

Para o banco americano, as projeções de inflação do Copom no cenário de referência devem avançar para o fim de 2024 (3,4% para 3,5%) e para o fim de 2025 (3% para 3,1%), considerando a depreciação do real, o aumento dos preços de petróleo e a redução da trajetória de taxa Selic embutida no relatório Focus.

“Essas projeções e o balanço de riscos geral para a inflação serão a chave para calibrar a trajetória da Selic, em particular a taxa terminal e o espaço para aceleração do ciclo de afrouxamento até o fim de 2023”, afirma o economista. “Na ata, vamos procurar a discussão sobre o hiato do produto, dada a recente dinâmica sólida de crescimento.”

Posição de banco britânico

O Copom deve seguir o plano de voo divulgado na sua última reunião e reduzir a taxa Selic de 13,25% para 12,75% na quarta-feira, afirma o Barclays. O banco britânico espera manutenção do ritmo de quedas em 0,5 ponto porcentual por reunião, mas reconhece que uma aceleração é possível.

“Esperamos que o BC corte a Selic em passos de 0,5 ponto porcentual no futuro próximo, mas não podemos descartar a possibilidade de cortes maiores mais adiante no ciclo, à medida que o horizonte relevante da política monetária gradualmente muda para 2025”, afirma o economista para Brasil do Barclays, Roberto Secemski, em relatório.

Na semana que vem, o analista espera poucas mudanças no comunicado do Copom. Secemski destaca que, desde a última decisão de política monetária, em agosto, as expectativas de IPCA de longo prazo continuaram em 3,5% – 0,5 ponto porcentual acima do centro da meta, de 3% -, o PIB do segundo trimestre cresceu mais do que o esperado e a inflação de serviços não desacelerou substancialmente.

O Barclays espera redução da taxa Selic a 11,75% no fim de 2023 e a 9,5% no término do ciclo de cortes, que deve ocorrer em meados de 2024.

Com informações do Estadão Conteúdo