Mercado hoje: Ibovespa fecha em queda, mas recupera os 117 mil pontos; dólar sobe

Nem mesmo o tom mais brando da ata do Copom e o IPCA-15 em queda animaram o mercado nesta terça (27)

O Ibovespa iniciou o dia em alta nesta terça-feira (27), buscando retomar o patamar dos 119 mil pontos. Por volta das 10h15, o principal índice da bolsa subia 0,71% depois de fechar a sessão anterior em queda de 0,62%.

Mas, ainda durante a manhã, a situação mudou e, no fechamento, o índice registrou queda de 0,61%, a 117.522 pontos. Ao longo do dia, o Ibovespa havia registrado mínima na casa dos 116 mil pontos.

Ibovespa e a ata do Copom

Pela primeira vez desde o início do atual ciclo de alta da taxa Selic , os diretores do Banco Central (BC)  admitem que podem cortar os juros em uma próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

A ata da reunião, realizada na quarta-feira passada, foi divulgada na manhã desta terça. No texto, os técnicos citam que consideram as chances de voltar a estimular a economia, com redução da Selic, desde que mantida a atual tendência de queda na taxa de inflação.

O texto chegou a empurrar o Ibovespa para o alto no início do pregão, mas as supostas boas notícias perderam fôlego ainda durante o início da sessão.

Dólar

Já a moeda norte-americana, que parecia caminhar para R$ 4,76 no início do dia, passou a subir. No fechamento, o dólar avançou 0,68%, a R$ 4,7986. Na mínima do dia, a divisa chegou a cair à casa dos R$ 4,75.

Porém, no cenário internacional, o dólar recuou, o que mostra um enfraquecimento do real no dia. O DXY, índice que mede o desempenho da moeda norte-americana em relação a outras divisas fortes, caiu 0,19%, a 102,49 pontos.

Frigoríficos e aéreas se destacam

As ações que lideraram o Ibovespa foram dos setores de proteína animal e aviação. A Minerva (BEEF3) liderou, com alta de 3,98%, com a JBS (JBSE3) também se destacando, avançando 2,46%.

Entre as aéreas, destaque para a Gol (GOLL4), que subiu 3,26%, seguida por Embraer (EMBR3), com alta de 2,17%, e Azul (AZUL4), que avançou 1,31%. As aéreas têm sido favorecidas principalmente pela manutenção das isenções de impostos até 2026.

Maiores perdas no Ibovespa

A Magalu (MGLU3) chegou a ficar entre as principais altas do dia no início da sessão, com valorização perto de 3%, mas desidratou, fechando em queda de 0,59%. No mês, a Magalu acumula queda de mais de 8%.

Além disso, no fechamento, as ações do Assaí (ASAI3) e do Pão de Açúcar (PCAR3) estavam entre as maiores quedas do índice mais importante da bolsa. O Assaí recuou 5,97% e o Pão de Açúcar, 4,72%.

No mês, as empresas têm resultados destoantes, com a rede de atacarejo subindo mais de 20%, e a de supermercados recuando quase 4%.

As empresas do setor de varejo de alimentos sofrem especialmente com os juros altos e dificuldades de financiamento. Nem mesmo a inflação dos alimentos em queda foi motivo de animação para os investidores nesta terça.

O IPCA-15, divulgado esta manhã, ficou em 0,04% após alta de 0,51% em maio de 2023.

Houve deflação no grupo alimentação e bebidas (-0,51%). A alimentação no domicílio registrou queda (passando de 1,02% em maio para -0,81% em junho), enquanto na alimentação fora de casa teve desaceleração nos preços (de 0,73% para 0,29%).