Mercado hoje: Ibovespa perde os 110 mil pontos e dólar sobe com exterior cauteloso

Investidores digerem dados de atividade econômica aqui e, lá fora, números de desemprego e varejo

O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira (15) pressionado pelo cenário de incerteza no exterior, enquanto investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed) na semana que vem. O índice recuou 0,5%, para 109.990 pontos. Já o dólar avançou 1% o real e bateu R$ 5,2396 acompanhando pares globais em meio a cautela externa.

Indicadores americanos vieram mais fortes do que a expectativa hoje, o que pode influenciar o banco central dos EUA a elevar mais os juros. Porém, os dados ainda mostraram sinais de arrefecimento da atividade.

“A queda do Ibovespa acompanha a volatilidade do exterior”, diz Pedro Galdi, da Mirae. “Aqui no Brasil, há indicadores econômicos bons, mas temos eleições em breve e estão todos esperando para saber quem vai ser o vencedor e quais serão as medidas para conseguir investimentos. O que existe no momento são só indicadores econômicos e ruídos políticos, então ficamos parados.”

Mais cedo, foi anunciado que as vendas do varejo americano subiram 0,3% em agosto ante junho, enquanto o consenso era de estabilidade. Já os pedidos de seguro desemprego do país na semana passada somaram 213 mil, ante consenso de 225 mil. Entre os índices de atividade industrial, o Empire State subiu para -1,5 em setembro, ante -13,8 em agosto; e o do Fed de Filadélfia caiu para –9,9 pontos em setembro, enquanto o consenso era de 2,3 pontos.

Embora os dados tenham sido mistos, mesmo os que vieram melhores do que a expectativa mostraram que a economia americana vem perdendo força. Isso se reflete nas apostas do mercado para a decisão do Fed no dia 21: de acordo com dados do CME Group, 20% dos investidores projetavam alta de 1 ponto porcentual nos juros, menos do que nos últimos dias. Os demais 80% esperavam alta de 0,75 ponto porcentual.

No Brasil, onde o Banco Central decide política monetária no mesmo dia que o Fed, o indicador econômico de hoje mostrou força da economia local. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR) subiu 1,17% em julho na comparação dessazonalizada com junho. O resultado ficou acima da mediana das estimativas coletadas pelo Valor Data, de alta de 0,40%; e acima também do intervalo das projeções, que ia de queda de 0,30% a alta de 0,6%.

Destaques do Ibovespa

Positivo (POSI3) subiu 7,24% e teve o maior avanço do índice no dia. Na última terça-feira, o BTG Pactual elevou o preço-alvo da ação da companhia de R$ 15 para R$ 17. O papel fechou o dia negociado a R$ 13,03.

Natura (NTCO3), cujo conselho de administração se reúne hoje, com expectativa do mercado de mudanças na empresa, subiu 1,58%.

Embraer (EMBR3) avançou 3,58% após anúncio de acordo para receber investimentos de até US$ 1,5 bilhão dos fundos da Apollo Global Management.

Do lado vermelho, empresas de saúde tiveram um pregão difícil, com SulAmérica (SULA11) caindo 3,89%, Rede D’Or recuando 3,31% e Qualicorp (QUAL3) perdendo 4,29%.

Petrobras (PETR4) caiu 0,19% com o petróleo Brent fechando em queda de 3,46%, a US$ 90,84 por barril. Já a Vale (VALE3) avançou 2,01%, recuperando perdas recentes e evitando queda maior do Ibovespa.