Dólar reduz queda após tocar R$ 4,69 na mínima no pregão

Desvalorização da moeda norte-americana refletia principalmente o PCE dentro do esperado nos Estados Unidos

O dólar opera em baixa nesta sexta-feira (28) tendo tocado R$ 4,695 na mínima do pregão até aqui. Os investidores avaliam uma série de dados dos Estados Unidos e locais.

Por volta das 12h22, a moeda norte-americana baixava 0,27%, cotada a R$ 4,729.

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos EUA avançou 0,2% em junho ante maio, informou o Departamento do Comércio do país, em linha com a projeção de analistas consultados pela FactSet.

Na comparação anual, a alta foi de 3,0%, desacelerando em relação ao aumento anual de 3,8% no mês anterior e também em linha com as estimativas.

Já o núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, teve crescimento de 0,2% no mês passado ante o anterior, em linha com as projeções.

O crescimento anual desacelerou de 4,6% no mês passado para 4,1% no mesmo período, confirmando as estimativas do FactSet.

O PCE é a medida de inflação preferida pelo Federal Reserve (Fed).

Aqui no Brasil, a taxa de desocupação ficou em 8,0% no trimestre encerrado em junho, de acordo com os dados mensais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou abaixo da previsão de 8,2% calculada a partir da mediana das estimativas de especialistas colhidas pelo Projeções Broadcast. As projeções para a taxa de desemprego variavam entre 8,0% e 8,4%.

O IGP-M em julho trouxe deflação menor, de 0,72% em julho, após queda de 1,93% em junho. O indicador acumula baixa de 7,72% nos últimos 12 meses e no ano, de 5,15%.

A deflação de julho foi menor que a mediana das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast, de 0,74%, mas ficou no intervalo, de -1,00% a 0,30%.

Com informações do Estadão Conteúdo