Bitcoin (BTC) e ether (ETH) operam em leves baixas com atenções a FTX e PIB dos EUA

Dados on-chain indicam novo aumento na quantidade de bitcoins em carteiras de investidores de longo prazo, diz analista

O bitcoin (BTC) e o ethereum (ETH) operam em leves baixas nesta quinta-feira (22) enquanto a principal notícia do front cripto internacional é a chegada do fundador da FTX, Sam Bankman-Fried, a Nova York para enfrentar acusações de transferência indevida de fundos de clientes da corretora para a Alameda Research.

Já do lado macro, foi divulgada a última leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no terceiro trimestre, que revelou um crescimento de 3,2% na taxa anualizada. O valor foi maior do que os 2,9% projetados pelos economistas do mercado financeiro.

Perto das 11h08 (horário de Brasília) o bitcoin cai 0,4% em 24 horas, cotado a US$ 16.781 e o ether, moeda digital da rede ethereum, tem perdas de 0,4% a US$ 1.209, conforme dados do CoinGecko.

O valor de mercado somado de todas as criptomoedas do mundo é de US$ 842 bilhões. Em reais, o bitcoin se desvaloriza em 0,14% a R$ 88.081 e o ether registra queda de 0,42% a R$ 6.347, de acordo com valores fornecidos pelo MB.

Aumento de bitcoins em carteiras de longo prazo

Segundo Rony Szuster, analista do MB, a quarta-feira fui um dia de tranquilidade no mercado e os dados on-chain indicam novo aumento na quantidade de bitcoins em carteiras de investidores de longo prazo.

“Foi um crescimento de cerca de 2 mil unidades de bitcoin, atingindo a marca de 13,963 milhões, ao passo que o saldo nas corretoras foi reduzido em cerca de mil unidades, fechando perto das 2,245 milhões de unidades de bitcoin”, destaca.

Os depósitos de ether na beacon chain, por sua vez, cresceram em 13 mil, alcançando pouco menos de 15,744 milhões de unidades de ETH.

Legislação sobre cripto

No radar corporativo, a Binance, maior corretora de criptoativos do mundo, entrará para o Comitê Executivo da Câmara de Comércio Digital, um grupo que realiza lobby para a indústria de blockchain nos EUA.

“A corretora possivelmente contribuirá com pesquisa e tentará influenciar a forma como ocorrerá a legislação na maior economia do mundo. Algumas empresas renomadas já fazem parte do grupo, como Visa, Deloitte, Circle e OKCoin”, comenta Szuster.

Por fim, um comitê de credores da Gemini apresentou um plano para resolver problemas de liquidez que atualmente afetam a Gênesis e sua controladora, o Digital Currency Group (DCG). “O comitê de credores espera ter, até o final desta semana, uma resposta inicial sobre os planos.”