Bitcoin deve encerrar mês com ganhos acima de 2%

Novamente, a maior das criptomoedas deve figurar entre as aplicações de maior ganho no período

O bitcoin (BTC) chega ao último dia útil de abril, mês de alta volatilidade entre os ativos digitais, acima de US$ 29 mil e com valorização acumulada de pouco mais de 2,3%. Novamente, a maior das criptomoedas deve figurar entre as aplicações de maior ganho no período.

O ether, a segunda maior moeda digital chegou a avançar mais e deve terminar abril com ganhos mais acentuados – no momento, de 4,5%.

Abril foi marcado por um intenso debate em relação ao ajuste na política monetária para segurar a inflação, considerada ainda resiliente apesar da ação dos bancos centrais, o que motivou pessimismo nos negócios com ativos de risco.

Nesta sexta, saíram os dados do PCE de março, cujo núcleo subiu 0,3% e ficou dentro do consenso dos analistas. Em 12 meses, no entanto, o núcleo sobe 4,6% — acima da previsão de alta de 4,5%.

No mundo dos criptoativos, a nova atualização do Ethereum foi bem recebida pelos investidores, apesar de iniciativas de aperto regulatório nos EUA turvarem as perspectivas para os ativos digitais no país.

Para maio, investidores seguem de olho nos próximos passos da política monetária, com decisão de juros pelo Federal Reserve já na próxima semana.

Cotações

Perto das 9h45 (horário de Brasília), o bitcoin tinha alta de 1,2% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 29.313,98, e o ether, moeda digital da rede ethereum, subia 1,4% a US$ 1.908,52, conforme dados do CoinGecko.

O valor de mercado somado de todas as criptomoedas do mundo é de US$ 1,25 trilhão. Em reais, o bitcoin se valorizava 1,3% a R$ 147.900, enquanto o ether registrava ganhos de 1,28% a R$ 9.621,57, de acordo com valores fornecidos pelo MB.

André Franco, chefe do Research do MB, destaca que o bitcoin veio de altas seguidas antes de estacionar na casa de US$ 29 mil, novamente próximo de US$ 30 mil.

“É um cenário positivo, dado que esperamos que o bitcoin se estabilize em preços cada vez maiores para depois buscar novas altas”, disse.

Fernando Pereira, analista da Bitget, atribui o movimento recente a indicadores de consumo considerados positivos no dados de PIB dos EUA, divulgado na véspera. “Tivemos alta forte nos mercados. Podemos ver o BTC testar novamente a resistência de US$ 31 mil em breve”, disse.

Leia a seguir

Leia a seguir