Ibovespa fecha em queda com juros futuros reduzindo disposição a risco; dólar sobe

Ibovespa registra terceira queda consecutiva nesta terça (19)

A bolsa de valores hoje fecha o dia em queda, depois de alta instabilidade ao longo do pregão, enquanto o dólar subiu. As perdas do Ibovespa nesta terça-feira (19) acompanham a alta dos juros futuros no Brasil e nos EUA.

“Os juros (futuros no Brasil) sobem com temores do mercado de que o governo não vai conseguir comprimir a meta de 2024”, avalia Leandro Petrokas, diretor de research e sócio da Quantzed.

Além disso, os juros dos EUA também estão nas máximas do ano, com o mercado “achando que, em breve, o Fed terá que subir juros, principalmente, por conta de riscos inflacionários, dada a alta recente do petróleo e dados de atividade em nível elevados”, complementa.

Assim, o Ibovespa fecha o dia em queda 0,37%, a 117.845,78 pontos, dando continuidade às perdas de segunda e sexta-feira. O índice alcançou máxima de 118.457,81 pontos, mas fechou próximo da mínima, de 117.627,67.

Dólar hoje

Com relação ao câmbio, a moeda norte-americana fechou em alta em relação ao real, com ganhos de 0,35%, cotada a R$ 4,8730.

O DXY, que compara o desempenho do dólar com outras moedas importantes, desceu 0,11%, a 105,20 pontos.

Ações em alta

Entre as maiores altas do dia, destaque para a Marfrig, do segmento de proteína animal, que subiu mais de 4% ao final do pregão e deteve o maior volume entre as empresas que registraram os maiores ganhos do dia: mais de R$ 100 milhões.

Os papéis do frigorífico só foram superados pelos do Banco Pine, que liderou os ganhos. Confira a lista das ações que mais subiram.

  • Banco Pine (PINE4) +4,28%
  • Marfrig (MRFG3) +4,07%
  • João Fortes (JFEN3) +4,00%
  • Sequoia (SEQL3) +3,92%
  • Oi (OIBR3) +3,03%   

Ações em baixa

As ações do Pão de Açúcar ficaram entre os piores resultados do dia, ao perder quase 7% do seu valor. Segundo Petrokas, “Pão de Açúcar cai como reflexo do relatório do BofA, que sugere venda para o papel, com preço alvo de R$ 15 para R$ 3,50.” Veja as ações que mais desceram no dia.

  • Kora Saúde (KRSA3) -10,20%
  • Romi (ROMI3) -6,92%
  • Pão de açúcar (PCAR3) -6,90%
  • WDC (LVTC3) -6,71%
  • Clearsale (CLSA3) -6,19%

Os rankings acima abrangem ações com volume acima de R$ 1 milhão. As cotações foram apuradas entre as 17h15 e as 17h25, depois do fechamento, mas estão sujeitas a atualizações.

Bolsas mundiais

As bolsas de Nova York fecharam em baixa, à medida que o mercado se posiciona para a decisão monetária do Federal Reserve (Fed) amanhã e pressionadas também pela alta dos retornos dos Treasuries.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,31%, aos 34.517,73 pontos; o S&P 500 terminou o pregão com perdas de 0,22%, aos 4.443,95 pontos e o Nasdaq cedeu 0,23%, aos 13.678,19 pontos.

Os índices europeus fecharam majoritariamente em alta, revertendo parte das fortes perdas da véspera, enquanto investidores se posicionam para decisões de política monetária em economias de peso, entre elas Estados Unidos e Reino Unido.

Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 0,09%, aos 7.660,20 pontos; em Frankfurt, o DAX recuou 0,40%, aos 15.664,48 pontos; em Paris, o CAC 40 subiu 0,08%, aos 7.282,12 pontos; em Milão o FTSE MIB subiu 0,60%, aos 28.757,63 pontos; em Madri, o Ibex 35 teve ganhos de 0,40% aos 9.520,30 pontos; e, em Lisboa, o PSI 20 cresceu 0,45% aos 6.154,55 pontos. As cotações da Europa são preliminares.

IBC-Br e a influência sobre a bolsa de valores hoje

No início do dia, os investidores repercutiram a divulgação do IBC-Br.

A economia brasileira cresceu 0,44% em julho na margem, com ajuste, conforme o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). Em junho, houve alta de 0,22%, em dado revisado.

O aumento foi mais intenso do que o apontado na mediana das estimativas colhidas com o mercado financeiro pelo Projeções Broadcast, de 0,35%. As previsões iam de queda de 0,10% a alta de 1,10%.

Para o economista André Perfeito, o indicador aponta um início de terceiro trimestre positivo. “Vale notar que o IBC-BR está acelerando, em maio havia caído 1,8% a.m. para se recuperar, subindo 0,2% em junho e 0,4% em julho” avalia.

Super Quarta também mexe no Ibovespa

Além disso, o mercado aguarda direcionamento da política monetária nos EUA e no Brasil, com as decisões dos comitês dos bancos centrais na quarta. Nesta semana, durante a Super Quarta, o Banco Central brasileiro e o Fed norte-americano realizam possíveis ajustes nas taxas de juros.

De acordo com Marcus Labarthe, especialista em mercado de capitais e sócio-fundador da GT Capital, a divulgação dos juros e as pistas sobre o futuro das políticas monetárias de Brasil e EUA na quarta (20), “faz com que a semana seja de maior volatilidade. Investidores estão atentos, aguardando decisões para se posicionarem”.

As reuniões do Copom e do Fomc, comitês dos BCs brasileiro e americano, respectivamente, começaram nesta terça.

Com informações de Estadão Conteúdo