Ibovespa fecha em alta de 0,28% com ata ‘pacificadora’ do Copom; dólar cai a R$ 5,13

Confira o comportamento da bolsa de valores hoje, terça-feira (14), e o que impactou os negócios durante o dia; veja o desempenho do dólar

A bolsa de valores hoje fechou em alta, depois de o Ibovespa apresentar volatilidade ao longo do dia, oscilando entre os campos positivo e negativo.

“O texto (da ata do Copom) foi criado para pacificar o mercado”, diz o economista André Perfeito ao avaliar que as discordâncias entre os diferentes grupos que compõem o comitê não ganharam eco após causarem apreensão no mercado na semana passada.

Paulo Gala, economista-chefe do banco Master, vê a diferença de visões como algo normal e presente em outros bancos centrais.

“Há unanimidade (entre os grupos) da necessidade de uma política monetária contracionista, compromisso com meta de inflação, preocupação com a desancoragem da expectativa para a inflação, cenário externo mais adverso e mercado de trabalho aquecido. Não há diferenças entre os diretores nisso, que é o mais importante”, destaca.

Nesse sentido, ao final do pregão desta terça-feira (14), o Ibovespa fechou com ganhos de 0,28%, aos 128.515 pontos. Apesar disso, o patamar ainda está muito distante do que um dia foi a projeção de chegar a 150 mil pontos neste ano.

Dólar hoje

A moeda norte-americana se desvalorizou ao final do pregão. Assim, o dólar caiu 0,39%, cotado a R$ 5,1303. O índice DYX também caiu, em torno de 0,19%, a 105,01 pontos.

Ações em alta

  • Hapvida (HAPV3) 10,42%
  • Even (EVEN3) 9,86%
  • Méliuz (CASH3) 9,80%
  • Lojas Quero-Quero (LJQQ3) 8,44%
  • Multilaser (MLSA3) 8,42%

Ações em baixa

  • Portobello (PTBL3) -18,74%
  • Oncoclínicas (ONCO3) -18,09%
  • Natura (NTCO3) -9,43%
  • Aeris (AERI3) -7,87%
  • Infracommerce (IFCM3) -6,38%  

Os rankings mostram ações da bolsa de valores com alto volume, que integram ou não o Ibovespa e outros índices. As cotações foram apuradas entre as 17h50 e as 17h55.

Bolsas mundiais: Nova York

Os principais índices acionários da Europa e dos EUA encerraram a terça-feira com ganhos após os dados de inflação do índice de preços ao produtor (PPI) dos Estados Unidos, destaque da agenda dos mercados de hoje, terem vindo acima das estimativas.

O PPI dos EUA subiu 0,5% em abril ante março, resultado maior que a queda de 0,1% registrada em março e acima da expectativa de alta de 0,3% do consenso de analistas consultados pelo “Wall Street Journal”.

Com isso, o índice Dow Jones fechou em alta de 0,32%, a 39.558,11 pontos; o S&P 500 subiu 0,48%, a 5.246,68 pontos; e o Nasdaq avançou 0,75%, a 16.511,18 pontos.

Europa

Na Europa, o índice Stoxx 600 subiu 0,18%, a 521,79 pontos, com o setor automobilístico liderando os ganhos ao avançar 1,4%, o CAC 40, de Paris, ganhou 0,20%, para 8.225,80, e o FTSE 100, da bolsa de Londres, escalou 0,16%, para 8.428,13 pontos. O DAX, de Frankfurt, foi a exceção do dia e recuou 0,14%, a 18.716,42 pontos.

Apesar do destaque do dia ter sido o indicador americano, os agentes também avaliaram dados do continente europeu. Na Alemanha, o índice ZEW de sentimento econômico subiu a 47,1 pontos em maio, acima do consenso de 45,9 pontos. Já o índice de preços ao consumidor (CPI) do país subiu 2,2% na base anual em abril, ficando estável em relação ao registrado em março. Na base mensal, a alta foi 0,5%, acima dos 0,4% do mês anterior. Ambos os números vieram dentro das estimativas. Por sua vez, no Reino Unido, a taxa de desemprego subiu de 4,2% para 4,3% nos três meses até março

No front corporativo, a Delivery Hero saltou 26,34%, depois que a companhia concordou em vender seu negócio de entrega Foodpanda, em Taiwan, por US$ 950 milhões para a Uber. Na contramão, a Anglo American perdeu 3,23%, depois de anunciar mudanças na sua estrutura de negócios.

Ata do Copom foi divulgada

A bolsa de valores brasileira já abriu com a divulgação da ata do Comitê de Política Monetária (Copom).

Integrantes do Copom, o comitê de política monetária do Banco Central
Integrantes do Copom, que decidem a taxa Selic no Brasil. Foto: Raphael Ribeiro/BCB

De acordo com reportagem publicada pela Inteligência Financeira, na ata prevaleceu a ideia de que o colegiado precisa manter a credibilidade no combate à inflação.

Nesse sentido, vale lembrar que o Copom reduziu a taxa em 0,25 ponto porcentual, ao contrário da indicação de 0,50 ponto anterior.

Com informações do Valor Pro, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico.