Alpargatas (ALPA4) entra com execução judicial e procedimento arbitral contra Carlos Wizard

A empresa diz que adotará todas as medidas cabíveis para a defesa de seus direitos na execução judicial e no procedimento arbitral; Wizard se pronuncia

A Alpargatas (ALPA4) anunciou nesta terça-feira que declarou o vencimento antecipado do preço remanescente da aquisição da participação acionária da Alpargatas S.A.I.C., dona da Topper na Argentina, por Calos Wizard após o não pagamento da primeira parcela do acordo assinado em 2018.

Segundo a companhia, a primeira parcela, no valor de R$ 89,7 milhões, tinha vencimento na segunda-feira (6). Com isso, a Alpargatas entrou com uma execução judicial visando o pagamento do montante integral de R$ 266 milhões da operação.

A empresa também instaurou procedimento arbitral no Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá para discutir o descumprimento do acordo pelas partes.

“O procedimento arbitral se encontra em um estágio inicial, mas, pela análise preliminar das manifestações do comprador, a companhia, em conjunto com seus assessores legais, acredita que os pedidos do comprador são infundados”, afirma.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Alpargatas diz que adotará todas as medidas cabíveis para a defesa de seus direitos na execução judicial e no procedimento arbitral.

O que diz Carlos Wizard sobre ação da Alpargatas?

Carlos Wizard respondeu na tarde desta terça-feira à ação de execução judicial movida pela Alpargatas para reter o valor integral da aquisição.

Wizard, em comunicado, afirma que “discorda do valor estimado” que resta para concluir a aquisição, e lista uma série de motivos que justificam sua posição, como: “inconsistências no reembolso de indenizações; divergências sobre a dívida liquida da companhia; demandas de terceiro de responsabilidade da Alpargatas; e atos governamentais ocorridos na Argentina”.

Em seguida, o empresário brasileiro afirma que, durante 2022, seus representantes procuraram a Alpargatas para um ajuste no valor da aquisição. Wizard alega que a empresa “não mostrou interesse em discutir os valores” e diz que a ação movida hoje pela companhia “lhe causa enorme estranhamento”, considerada por ele como uma “tentativa de intimidação”.

Confira o comunicado completo:

Em relação ao Fato Relevante divulgado hoje (07/03/2023) pela Alpargatas sobre o Acordo de Compra e Venda e Outras Avenças da Alpargatas Asaic com signing em 14/09/2018 e aditivos, gostaria de informar que:

Por discordar do valor estimado do saldo remanescente da aquisição, em virtude de inconsistências no reembolso de indenizações; divergências sobre a dívida liquida da companhia; demandas de terceiro de responsabilidade da Alpargatas; e atos governamentais ocorridos na Argentina, meus representantes procuraram a Alpargatas ao longo de 2022 para um ajuste no preço de aquisição.

Como a Alpargatas não mostrou interesse em discutir os valores, utilizei o foro estabelecido em contrato para divergências entre as partes e, em 24/08/2022 – portanto, há mais de seis meses – propus uma arbitragem no Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CAM-CCBC).

Além de estranhamente não dar publicidade à arbitragem proposta em 24/08/2022, a Alpargatas hoje comunicou ao mercado uma ação judicial que desconheço e que me causa enorme estranhamento, já que não se trata do foro eleito pelas partes em contrato.

Considero tal ato como uma tentativa de intimidação devido à minha iniciativa de propor arbitragem para resolver as discussões em torno do ajuste do preço em relação ao contrato citado, e, também, uma tática para forçar o recebimento antecipado de valores que seriam pagos até 2025.

Obrigado.
Campinas, 7 de Março de 2023
Carlos Wizard Martins