Bolsas de NY fecham em alta impulsionadas por Netflix e Alphabet

Após dois dias seguidos de queda, as ações se recuperaram com balanços positivos de empresas de tecnologia

As bolsas de Nova York fecharam o pregão de hoje em alta robusta, concentrada especialmente no setor de tecnologia e serviços de comunicações. O bom desempenho desses setores foi puxado pelas ações da Netflix, após o balanço da empresa agradar investidores, e da Alphabet, controladora do Google, que anunciou um corte em seu quadro de funcionários.

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,00%, a 33.375,490 pontos, o S&P 500 avançou 1,89%, a 3.972,58 pontos, e o Nasdaq subiu 2,66%, a 11.140,43 pontos.

No acumulado da semana, o Dow Jones caiu 2,70%, o S&P 500 recuou 0,66%, enquanto o Nasdaq avançou 0,55%.

Tecnologia lidera os ganhos

Investidores repercutiram mais resultados corporativos da atual temporada de balanços. A Netflix, que divulgou seu desempenho no quarto trimestre após o fechamento dos mercados ontem, se destacou e sua ação subiu 8,46%.

O desempenho da plataforma de streaming de vídeo deu força a outras empresas do ramo, como Walt Disney (+4,41%) e Paramount (+3,91%).

Os ganhos nos setores de tecnologia e comunicações foram gerais. A Alphabet, empresa controladora do Google, subiu mais de 5% após anunciar um programa de corte de gastos que inclui demissões de 12 mil funcionários. Já os papéis da Microsoft, que divulgou notícia similar essa semana, subiram 3,57%.

Para o estrategista-técnico chefe da LPL Research, Adam Turnquist, o momento atual sugere uma recuperação do índice S&P 500, referência das bolsas nova-iorquinas.

Ele aponta para um cenário macroeconômico melhor e menor pressão do mercado de renda fixa americano – em meio a desaceleração da inflação – como alguns dos fatores técnicos que justificam sua conclusão.

Fed: inflação perde força

O dia de hoje foi marcado também por comentários de dirigentes do Federal Reserve (Fed). Diretor do BC, Christopher Waller alertou contra as previsões otimistas do mercado quanto à redução dos preços nos EUA.

Segundo ele, a inflação perderá força lentamente e, por isso, os juros continuarão altos ao longo de 2023. Atualmente, investidores precificam os primeiros cortes da taxa dos Fed funds já no fim deste ano.

Waller, porém, defendeu que o ritmo de altas de juros reduza para 0,25 ponto porcentual no mês que vem, quando ocorre a próxima reunião do Fed.