Ibovespa sobe 0,16% e fecha 6ª sessão seguida em alta com recordes em NY; dólar também sobe

Bolsa de valores hoje: saiba o desempenho do Ibovespa e do dólar no pregão desta quinta (22) e os motivos da movimentação dos ativos

A bolsa de valores hoje subiu, marcando a sexta alta consecutiva, com os mercados externos ajudando a impulsionar o pregão brasileiro. Anteriormente, o índice oscilou após divulgação do PMI dos EUA. O dólar emplacou alta após a publicação do indicador.

Nesse sentido, nesta quinta-feira (22), o Ibovespa fechou em alta de 0,16%, a 130.240,55 pontos. Com isso, o principal índice da bolsa avança pelo sexto pregão seguido.

Na sessão anterior, o índice havia subido discretamente, depois de passar a maior parte do dia no campo negativo.

Assim, o dia também foi de expectativa em torno dos balanços da Vale (VALE3) e do Nubank (ROXO34). Ambos os resultados estavam previstos para sair após o fechamento da bolsa de valores.

Dólar hoje

Da mesma maneira, o dólar fechou em alta: 0,42%, cotado a R$ 4,9600.

Por outro lado, no cenário externo, o dólar desceu discretamente: queda de 0,05%, a 103,95 pontos.

Ações em alta

Veja as ações que mais subiram na bolsa nesta quinta-feira

  • Oi (OIBR4) +9,56%
  • C&A (CEAB3) +8,79%
  • Gafisa (GFSA3) +8,55%
  • Magazine Luiza (MGLU3) +7,65%
  • Recrusul (RCSL4) +6,67%

Ações em baixa

Confira também os papéis que tiveram as piores perdas

  • Oi (OIBR3) -8,45%
  • Pão de Açúcar (PCAR3) -6,79%
  • Vittia (VITT3) -5,24%
  • Light (LIGT3) -4,52%
  • Time for Fun (SHOW3) -3,83%

Os rankings contemplam ações com volume acima de R$ 1 milhão, que pertencem ou não ao Ibovespa e outros índices. As cotações foram apuradas às 18h07, mas podem ter atualizações.

Nova York impulsiona bolsa de valores hoje

As bolsas de Nova York subiram com vigor nesta quinta, com destaque para o setor de tecnologia. Assim, Nasdaq avançou 2,96%, aos 16.041,62 pontos. S&P 500 também teve forte alta: 2,11%, aos 5.087,03 pontos. Dow Jones valorizou 1,18%, aos 39.069,11 pontos.

Com isso, Dow Jones e S&P 500 tiveram recorde histórico no fechamento.

O desempenho positivo vem na esteira dos resultados da Nvidia. As expectativas superiores às antecipadas relativas às vendas da empresa de inteligência artificial impulsionaram os mercados globais e mais especificamente o setor de inteligência artificial no mundo todo.

A companhia surpreende em lucro no 4º tri com receita recorde e projeta receita maior que esperado.

A Nvidia projetou receitas de US$ 24 bilhões para o primeiro trimestre deste ano, superando as previsões que giravam em torno de US$ 22 bilhões.

“Tal otimismo em relação à Nvidia conseguiu eclipsar a postura mais severa adotada na última ata do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que revelou preocupações acerca da prematura redução das taxas de juros”, afirma a Guide em relatório.

Europa em alta, com Stoxx 600 em patamar recorde

As bolsas europeias fecharam em alta, embaladas pelo avanço nos mercados de Wall Street, diante do otimismo com o resultado da empresa de inteligência artificial Nvidia.

O índice amplo Stoxx 600 encerrou a sessão com alta de 0,82%, em 495,10 pontos, superando seu recorde anterior de fechamento de 494,35 pontos, marcado em 5 de janeiro de 2022. Também bateu recorde histórico intraday nesta quinta, em 496,30 pontos.

O DAX, referencial da Bolsa de Frankfurt, subiu 1,47%, aos 17.370,45 pontos. O FTSE ganhou 0,36%, aos 7.690,43 pontos, estreitando a distância para o recorde anterior de fechamento, de 8.012,53 pontos, alcançado em 16 de fevereiro. Já o CAC-40, de Paris, ganhou 1,27%, aos 7.911,60 pontos.

Em Madri, o Ibex-35 subiu 0,31%, aos 10.138,90 pontos. O FTSE MIB, de Milão, ganhou 1,06%, fechando aos 32.356,26 pontos. Por outro lado, em Lisboa, o PSI-20 não desfrutou do otimismo e caiu 0,81%, aos 6.199,61 pontos.

PMI dos EUA

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto dos Estados Unidos recuou de 52,0 em janeiro para 51,4 na preliminar de fevereiro, informou nesta quinta-feira (22) a S&P Global. Analistas ouvidos pela FactSet previam 51,5.

Apenas no setor de serviços, o PMI caiu de 52,5 em janeiro para 51,3 na prévia de fevereiro. A previsão, neste caso, era de 52,0.

Já o PMI da indústria avançou de 50,7 em janeiro para 51,5 na preliminar de fevereiro, ante expectativa de 50,2.

Boletim Focus

O relatório Focus, divulgado excepcionalmente nesta quinta-feira, veio com melhora nas projeções de PIB e Balança Comercial. As apostas dos economistas para o PIB saíram de 1,60% para 1,68%. Já para a Balança Comercial o saldo saiu de US$ 76,45 bilhões para US$ 80 bilhões.

Houve melhora marginal também nas Transações Correntes para este ano. Projeções de inflação e dólar oscilaram de maneira muito discreta, variando um ponto base para o IPCA (saindo de 3,82% para 3,81%) e o dólar apenas um centavo de real (saindo de R$ 4,92 para R$ 4,93).

“A economia demonstra sinais surpreendentes de vigor, com as previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2024 começando a alinhar-se às expectativas do governo de um crescimento de 2,2%”, avalia o economista André Perfeito.

Confira as projeções para PIB, Selic, inflação e outros indicadores divulgadas pelo Banco Central nesta semana aqui.

Com informações da Dow Jones Newswires e do Estadão Conteúdo