Braskem (BRKM5) e Assaí (ASAI3) disparam e fecham na liderança do Ibovespa

Confira o que impulsionou as ações da petroquímica e da rede de atacarejo

As ações da Braskem (BRKM5) fecharam com a maior alta da bolsa brasileira nesta segunda-feira (12), empatando com o Assaí (ASAI3). Ambas companhias subiram 6,40%, com os papéis da empresa de energia fechando em R$ 27,20 e da atacadista, em R$ 13,80.

A alta da Braskem aconteceu após a Unipar (UNIP6) apresentar uma nova proposta não vinculante para compra indireta do controle acionário da petroquímica, atualmente sob controle da Novonor (ex-Odebrecht).

As ações da Unipar (UNIP6) também tiveram forte alta, de 3,14%, negociados a R$ 74,20.

Assaí

O Assaí, uma das maiores redes de atacarejo do país, vem apresentando altas consistentes na bolsa nos últimos 30 dias, com valorização de quase 17% no período, saindo de R$ 11,73 para os atuais R$ 13,80.

A escalada se acentuou na última semana. Da segunda-feira passada (5) para este pregão, a valorização foi de 19,51%, consolidando novos patamares de preço após uma leve queda no final de maio.

A empresa é impactada principalmente por uma possível oferta de ações pelo acionista Casino. “A possível saída do Casino pode colaborar para melhorar a liquidez da companhia”, diz Ricardo Brasil, fundador da Gava Investimentos.

Além disso, a empresa vem se beneficiando da queda da inflação. Os preços altos tiraram os consumidores de dentro das unidades da rede, que trabalha especialmente com consumidores de menor renda.

Existe ainda a possibilidade da queda dos juros, que aliviaria as finanças da empresa e dos consumidores no geral, o que também favorece o Assaí.

Programas como o Desenrola, que buscam reduzir a inadimplência, também ajudam a criar um clima positivo em torno da rede de atacarejo, que foi uma das estrelas da bolsa anos atrás, a ponto de a empresa se desvencilhar de seu antigo controlador, o GPA.

Proposta da Unipar

Em comunicado ao mercado, a Unipar informou que pretende fazer uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) para acionistas minoritários da Braskem detentores de ações ordinárias e das ações preferenciais classe A e classe B, bem como uma oferta para a aquisição de até a totalidade das ações preferenciais classe A representadas por ADRs e listadas na New York Stock Exchange (NYSE).

Segundo a companhia, ambas as ofertas seguirão as mesmas condições fechadas com a Novonor. Além disso, a Unipar indicou que vai negociar a participação da Petrobras na operação em outro momento, “buscando um formato satisfatório para todas as partes envolvidas”.

A Braskem confirmou ter recebido a nova proposta da Unipar. A petroquímica também foi alvo de uma oferta de R$ 37,5 bilhões da gestora americana Apollo, em conjunto com a estatal árabe Adnoc. Cada ação seria vendida por até R$ 47.

Veja o que diz a Unipar sobre sua nova proposta

“A companhia enviou uma proposta não vinculante à Novonor, que contempla o pagamento parcial dos Bancos Credores, bem como novas condições para o saldo da dívida remanescente, e a possibilidade de a Novonor continuar com uma participação minoritária indireta na Braskem.

Na estrutura atualmente pretendida para a Operação, a Companhia lançará uma oferta pública de aquisição de ações por alienação de controle da Braskem para a aquisição de ações ordinárias e das ações preferenciais classe A e classe B de titularidade dos acionistas minoritários da Braskem e uma tender offer para aquisição de até a totalidade das ações preferenciais classe A representadas por ADRs e listadas no New York Stock Exchange, nos mesmos termos e condições que forem ultimamente negociadas com as partes envolvidas na Operação e sujeitas à legislação e à regulamentação aplicáveis.

No momento adequado, a Companhia negociará com a Petrobras sua participação nos termos da Operação, de forma satisfatória a todas as partes envolvidas, que poderá eventualmente incluir a renegociação do atual Acordo de Acionistas, dentre outros aspectos relevantes, para sua adequação à nova estrutura de capital da Braskem.

A Operação deverá conter condições normais nesse tipo de operação, tais como negociação dos documentos vinculantes, realização de auditoria na Braskem, aprovação das autoridades competentes, aprovação dos Bancos Credores, dentre outras. Adicionalmente, caso ainda haja alguma questão em aberto sobre o dano geológico em Alagoas, a Companhia espera haver a negociação final de uma solução, de forma satisfatória a todos os agentes públicos e partes prejudicadas.

A Companhia objetiva desenvolver uma estrutura para a implementação da Operação que traga convergência de interesse com todas as partes envolvidas. Com mais de 50 anos de participação no setor, a Operação faz parte da estratégia da Unipar de ampliar sua participação no setor petroquímico brasileiro, no qual pretende continuar investindo e contribuindo para o desenvolvimento nacional.

A Companhia ressalta que todos os aspectos da Operação discutidos acima estão sujeitos à contínua negociação entre todas as partes envolvidas e manterá o mercado informado dos desenvolvimentos nos termos da legislação e normas da CVM.”

Veja o que diz a Novonor em esclarecimento à Braskem

“Informamos a V.Sas. que recebemos da Unipar Carbocloro S.A. (“Unipar”), no último dia 10 de junho de 2023, a proposta não vinculante (“Proposta”) para a aquisição do controle da Braskem S.A. (“Braskem”).

Segundo os termos da Proposta (i) a Unipar passará a deter 34,366%, (representativas do controle da Braskem) do total de ações de emissão da Braskem (ex-tesouraria), tendo sido cada ação avaliada em R$ 36,5; (ii) a Novonor S.A (“Novonor”) permanecerá com uma participação minoritária, representativa indiretamente de 4% do total de ações de emissão da Braskem atualmente.

A Proposta está, ainda, condicionada à realização de uma auditoria confirmatória de certas premissas e à implementação de uma série de condições precedentes, dentre ela o não exercício pela Petróleo Brasileiro S.A. (“Petrobras”) do seu direito de preferência ou seu direito de tag along, conforme previstos, respectivamente, nas Cláusulas 7.5 e 7.12 do Acordo de Acionistas da BRK Investimentos Petroquímicos S.A e da Braskem S.A. em vigor nesta data entre a Novonor e a Petrobras.

A Novonor avaliará os termos e condições da Proposta em conjunto com as instituições financeiras detentoras da alienação fiduciária das ações da Braskem S.A. de propriedade da Novonor, assim como tem feito com as demais ofertas anteriormente comunicadas a V.Sas. Não há qualquer decisão, mesmo que preliminar, tomada a respeito da Proposta.

Qualquer evolução material ou vinculante nas discussões será imediatamente comunicada a V.Sas., para que possam adotar as providências de praxe.”