Crédito aumenta 14% em 2021, mas deve reduzir volume neste ano

Avaliação mostra que a taxa de inadimplência das famílias pode ter encerrado o ano de 2021 em 3,2%

Com juro mais alto, cresce fluxo para crédito privado
– Imagem: RHJ/Getty Images

Pontos-chave

  • Febraban acredita que a carteira continue crescendo, mas em um ritmo menor
  • O crédito funcionou como uma espécie de muro de contenção na preservação da atividade econômica

2021 terminou com um dado importante: o volume de crédito pode ter crescido 14%, segundo Pesquisa Febraban de Economia Bancária e Expectativas, divulgada mensalmente como uma prévia da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central. Em novembro, o aumento foi de quase 13%.

A Pesquisa Febraban é feita a cada 45 dias, logo após a divulgação da ata da reunião do Copom. Este levantamento foi feito entre os dias 15 e 21 de dezembro e reuniu as percepções de 18 bancos sobre a última ata do Copom e as projeções para o desempenho das carteiras de crédito.

Menos crédito em 2022

O crescimento do crédito em 2022 foi revisado para baixo. A Febraban acredita que a carteira total continue crescendo, mas num ritmo próximo ao período pré-pandemia (6,5% em 2019), e deverá aumentar em torno de 7% neste ano.

A expansão esperada para 2022 é menor do que a apurada em levantamento anterior, que estava em 7,3%, mas está em linha com a redução do Banco Central das estimativas de crescimento do PIB em 2022 (de 2,1% para 1%).

As estimativas para a carteira total de crédito em 2021 estão abaixo da nova projeção do Banco Central, que passou de crescimento de 12,6% para 14,6%, “reforçando a expectativa de alguma acomodação em relação ao ritmo atual de expansão de crédito (de 16% em outubro), mas ainda assim com um resultado bastante expressivo”.

“Mesmo em um cenário de continuidade da pandemia, o crédito, em 2021, assim como já tinha acontecido em 2020, funcionou como uma espécie de muro de contenção na preservação da atividade econômica”, diz Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da Febraban. “Os bancos irrigaram a economia com forte expansão de sua carteira, especialmente no crédito destinado às famílias, que se acelerou com a reabertura das atividades econômicas em decorrência principalmente do avanço da vacinação no país”, afirma.

Dívida das famílias

Segundo o levantamento, a taxa de inadimplência deve ter encerrado o ano de 2021 em 3,2%.

A pesquisa mostra também que, para 2022, houve revisão no crédito destinado às famílias, especialmente no crédito pessoal, que passou de alta de 10,5% para 10,2%, e uma ligeira piora na estimativa da taxa de inadimplência da carteira livre, que subiu de 3,7% para 3,8%.

A maioria (72,2%) dos participantes entendeu como adequado o ajuste de 1,5 ponto percentual da Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em sua última reunião.

Para o câmbio, a expectativa é de certa depreciação ao longo do 1º semestre de 2022, chegando ao patamar de R$ 5,70 por dólar.

Reportagem do G1


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 12h41
Magalu lança conta digital sem mensalidade e cartão de crédito para empresas

A fintech Magalu anunciou nesta quinta-feira o lançamento de dois produtos, um cartão de crédito corporativo e uma operação de empréstimo pessoal para pessoas físicas

Redação IF Atualizado em 06.maio.2022 às 15h22
Alta da Selic encarece de crédito imobiliário a cheque especial. Entenda

Taxa média de juros no rotativo do cartão saltou de 327% para 355,19% em um ano e agora deve subir mais

Redação IF Publicado em 03.maio.2022 às 15h21
Fintechs querem dar empréstimos com smartphones ou notebooks como garantia

Projeto de lei está na pauta de votações da Câmara dos Deputados esta semana e é um item prioritário da agenda econômica do governo

Redação IF Atualizado em 18.mar.2022 às 09h29
Saque extra do FGTS começa em abril; confira o calendário

Cada trabalhador poderá sacar até R$ 1 mil das suas contas

Gustavo Zanfer Atualizado em 17.mar.2022 às 20h06
Tem dívidas? Corujão Serasa Limpa Nome tem horário de atendimento presencial ampliado em SP

São Paulo capital terá atendimento das 4h às 23h na sexta-feira (18) e das 8h às 20h no sábado (19); mais de 100 dão descontos de até 99% da dívida