Investidores buscam opções para reduzir a superexposição a private equity

Carteiras estão em limites superiores ao que as políticas de alocação permitem

Equity Crowdfunding
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • O volume de negócios de ações preferenciais mais que dobrou para cerca de US$ 7,8 bilhões em 2020
  • Investidores e gestores buscaram liquidez em meio à incerteza causada pela pandemia

Os fundos de pensão e patrimoniais (também chamados de endowments) que se encontram superexpostos ao capital privado após dois anos de captação de recursos quase recorde estão procurando maneiras de aliviar a carga para que possam continuar investindo.

Declínios em ações e títulos de dívida e distribuições de caixa mais lentas de fundos de private equity empurraram o valor das carteiras de investidores para os limites superiores do que suas políticas de alocação permitem que eles invistam em private equity. A superexposição resultante está forçando alguns a fazer escolhas difíceis se quiserem permanecer ativos em um momento em que muitos gestores de private equity de alto desempenho estão lançando novos fundos.

O que é o private equity?

O private equity é um investimento privado, no qual o investidor aporta diretamente em empresas que tendem a crescer no longo prazo. Ele pode ser feito diretamente por empresas, instituições, fundos de investimento ou investidores individuais. Do outro lado do balcão, as empresas recebem o capital para financiar suas operações.

Como o private equity é uma classe de ativos ilíquidos, gerenciar a exposição do portfólio pode ser um desafio, pois os investidores não podem vender facilmente suas participações em fundos sem fazê-lo com desconto. Os investidores podem diminuir o ritmo de capital que comprometem com novos fundos com mais facilidade, e alguns, incluindo o Alaska Permanent Fund Corp. e o Sistema de Aposentadoria dos Funcionários do Estado da Pensilvânia, já indicaram que fariam isso no próximo ano. Alguns investidores podem optar por vender participações no mercado secundário em fundos que apoiaram anteriormente, embora a volatilidade do mercado tenha dificultado o preço dessas vendas, dizem especialistas do setor.

Os investidores e seus consultores dizem que as estruturas de financiamento que envolvem capital preferencial ou securitizações lastreadas em ativos oferecem aos investidores uma maneira de gerar capital para novos investimentos sem exacerbar seus problemas de superalocação.

O que acontece se os ativos forem vendidos agora?

Os investidores que fizerem cortes podem perder fundos potencialmente de alto retorno, uma lição que alguns aprenderam após a crise financeira mais de uma década atrás, de acordo com Mark Steed, diretor de investimentos do Sistema de Aposentadoria do Pessoal de Segurança Pública do Arizona.

“Muitos investidores foram queimados quando seus conselhos os forçaram a vender seus ativos de private equity com descontos”, disse Steed. Na época, os investidores que recuaram nos compromissos do mercado privado perderam alguns dos fundos com melhor desempenho e levou anos para que seus portfólios de private equity começassem a gerar lucros novamente, disse Steed.

Como os investidores estão gerando caixa?

Nigel Dawn, chefe do grupo de consultoria de capital privado da Evercore Inc., disse que os investidores estão explorando o financiamento de ações preferenciais para gerar caixa em seus portfólios que possam direcionar para novos investimentos.

Nesses negócios, os investidores geralmente transferem uma carteira de participações de fundos ou empresas para um veículo de propósito específico que é financiado pelas empresas que oferecem dinheiro em troca de ações preferenciais. As ações preferenciais geralmente conferem aos provedores o direito a alguns ou todos os fluxos de caixa gerados pelos ativos até atingir um determinado limite de retorno preferencial que foi negociado entre o investidor e os fornecedores de ações preferenciais.

Ao contrário de uma venda direta de ativos do portfólio, que exige que os vendedores renunciem a todos os rendimentos futuros, o financiamento de ações preferenciais permite ao investidor a chance de receber ganhos residuais uma vez que o limite de retorno tenha sido atingido, de acordo com Yann Robard, sócio-gerente na Whitehorse Liquidity Partners, uma empresa especializada em tais negócios.

Consequências da pandemia

O volume de negócios de ações preferenciais mais que dobrou para cerca de US$ 7,8 bilhões em 2020, à medida que investidores e gestores buscaram liquidez em meio à incerteza causada pela pandemia de coronavírus e se mantiveram estáveis ​​nesse nível em 2021, de acordo com um relatório publicado pela Evercore no início de 2022.

Uma estrutura menos comum que começa a chamar a atenção dos investidores envolve a securitização de carteiras de private equity. Pode haver entre dois e cinco desses negócios até o final deste ano, de acordo com Greg Fayvilevich, chefe do grupo de gestão de fundos e ativos dos EUA na empresa de classificação de crédito Fitch Ratings Inc.

O que são os fundos garantidos?

Mais comumente chamadas de obrigações de fundos garantidos (CFOs, ou collateralized fund obligations, em inglês), essas estruturas geralmente envolvem a transferência de uma carteira de fundos ou ativos de private equity, incluindo compromissos não financiados, para um veículo de investimento separado, que emite tranches de dívida e capital que são então vendidos a outros investidores. Os rendimentos podem ser usados ​​para pagar o sócio limitado que originalmente apoiou os fundos, e as distribuições em dinheiro são usadas para chamadas de capital de fundos subjacentes, despesas do veículo e para pagamento de juros e principal sobre a dívida emitida.

Fundo soberano de Cingapura, o Temasek Holdings usou CFOs várias vezes por meio da Azalea Investment Management, uma empresa que detém indiretamente. Um dos CFOs mais recentes da Azalea, Astrea 7 Pte. Ltd., detinha 38 fundos, com aproximadamente US$ 1,9 bilhão em valor patrimonial líquido e US$ 250 milhões em compromissos de capital não financiados em 30 de novembro de 2021, de acordo com um documento da Fitch Ratings.

Fayvilevich disse que os investidores podem criar CFOs de private equity por várias razões, incluindo garantir liquidez ou, no caso de companhias de seguros, obter alívio das restrições de capital regulatório em suas carteiras de private equity. Embora os CFOs possam oferecer vantagens como melhores condições de financiamento e flexibilidade em relação ao financiamento bancário, Fayvilevich disse que eles não são para todos.

“Você não verá um sócio limitado muito conservador entrar primeiro. Você verá sócios mais sofisticados fazendo esses tipos de acordos primeiro e, uma vez que o modelo seja estabelecido, outros também farão isso”, disse Fayvilevich.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 08h43