‘Errei por acreditar que investimentos poderiam ser analisados de forma racional’

Marcelo Giufrida, CEO da Garde Asset Management, com R$ 3,5 bilhões sob gestão, conta quais foram seus maiores erros cuidando do próprio dinheiro – e o que aprendeu com eles

GARDE Foto: Leo Martins

Você certamente já cometeu erros e perdeu dinheiro. Até porque, perder dinheiro pode acontecer com qualquer um. Tanto que Warren Buffett, um dos investidores mais bem-sucedidos de todos os tempos, com uma fortuna de mais de US$ 100 bilhões, desenvolveu uma regra simples para não errar. Buffett investe apenas em empresas que ele considera consistentes e estáveis, como Coca-Cola e Apple.

Mas erros acontecem. E a gente pode aprender com o erro – melhor ainda se for com o erro dos outros. Foi por isso que a Inteligência Financeira criou a série “Meu erro”. Aqui, você vai encontrar pessoas dos mais diferentes perfis, que trabalham ou não no mercado financeiro e que perderam dinheiro ou ficaram patinando com seus investimentos.

Hoje vamos conhecer a história de Marcelo Giufrida, CEO da Garde Asset Management, gestora que tem R$ 3,5 bilhões sob gestão. Antes de comandar a Garde, Giufrida foi CEO da asset do banco francês BNP Paribas e vice-presidente do Banco CCF. Engenheiro de produção formado pela Universidade de São Paulo (USP), Giufrida conta abaixo um erro que cometeu no início da carreira, quando ele achava que o mercado financeiro era puramente racional, e zero emocional.

Qual foi seu maior erro em relação ao dinheiro?

No início da carreira, eu acreditava que os investimentos poderiam ser analisados de forma majoritariamente racional.

Você perdeu muito dinheiro?

Não perdi exatamente, mas fiquei muito tempo tentando aplicar técnicas excessivamente baseadas em finanças para lidar com investimentos, e isso foi um erro.

Por que isso aconteceu?

A literatura da época era muito influenciada pelos trabalhos de economistas que pregavam essa abordagem.

Como você descobriu que estava errado?

Com a experiência percebi que algo estava errado, comecei a ler estudos que levavam a psicologia para um lugar mais central nas decisões de investimento – trabalhos que fizeram jus a prêmios Nobel, posteriormente.

Como você contornou a situação?

Passei adotar esses princípios na minha atividade como executivo e para meus investimentos pessoais também.

Será que você poderá cometer este mesmo erro novamente?

Na vida temos que aprender sempre! Não podemos nos acomodar com soluções que aparentemente funcionam bem. A inteligência artificial está presente cada vez mais na vida das pessoas… será que pode causar o mesmo impacto nos investimentos?

Quais lições você aprendeu?

A principal lição que eu aprendi foi que temos que sempre manter a mente aberta para as inovações.

Como você avalia os investimentos hoje? Como você olha para um ativo e decide entrar ou não?

Procuro analisar os fundamentos mais gerais (da economia como um todo) e específicos (ligado ao investimento em si, por exemplo tendência dos juros ou da empresa que penso em investir).

Que ensinamento você poderia compartilhar com os menos experientes e que é a dica de ouro para você?

Direcionar para investimentos mais arrojados ou sem liquidez apenas os recursos não comprometidos. Para fazer isso, separar do total de suas aplicações os recursos para despesas imediatas (caixa de emergência) e o dos projetos (que você sabe que vai usar numa data específica, como uma viagem, uma reforma, ou a compra de um bem, por exemplo um imóvel, um carro).

Qual é o investimento para o qual você está de olho agora?

Estamos começando a olhar com mais atenção aplicações em renda fixa, após as recentes altas a curva de pré-fixados está projetando juros acima do nosso cenário para os próximos dois anos.

Qual é a próxima grande barbada no mundo dos investimentos?

Difícil falar em barbadas, nada parece óbvio quando avaliado frente a um futuro incerto e em constante mutação. Tenho tido curiosidade em avaliar o mercado de futebol, a possibilidade de investimento em clubes via as SAF (sociedades anônimas de futebol), que pode ser uma oportunidade de entrar num setor que está em ebulição no mundo todo.


Você também pode gostar

Redação IF

Publicado em 26.jan.2022 às 14h13

Pesquisa mostra que mercado financeiro ainda não adotou os critérios ESG

Gestoras e bancos entendem a importância da sustentabilidade, mas poucos incluem o tema nos códigos de conduta

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 09h26

CVM suspende corretoras; saiba como escolher empresas idôneas

Sete empresas não tinham autorização para estar no mercado: Raw Trading, International Capital Markets Pty, IC Markets (EU), Markets, KOI Global LLC, Ventura Group e Orotrader

Valor Econômico

Publicado em 26.jan.2022 às 08h18

Estrangeiro já pôs R$ 20 bilhões na Bolsa em 2022

Com ajuda de cenário externo, fluxo está positivo no ano

Lucas Andrade

Atualizado em 26.jan.2022 às 07h55

Como a tensão entre Rússia e Ucrânia pode afetar a economia e os investimentos

A deflagração de um confronto militar entre os dois países pode piorar principalmente o cenário para a inflação na Europa

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h00

Afinal, o que dizem os especialistas sobre a Bolsa? Você deve comprar ações ou esperar mais um pouco?

O Ibovespa deve subir, mas com fortes emoções; veja o que levar em consideração

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h10

Estudo traça perfil do investidor em Tesouro Direto; conheça o ativo

16,3 milhões de pessoas investem nos papéis do governo

Leonardo Guimarães

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h35

Como investir no metaverso?

O metaverso não está distante de você ou da sua carteira; entenda como fazer dinheiro com ele, mas saiba que o risco de perder capital é grande

Valor Econômico

Atualizado em 24.jan.2022 às 18h02

Ações de tecnologia caem e Warren Buffett volta aos holofotes com investimentos em ativos “de valor”

Com foco em ativos “de valor”, Berkshire Hatthaway se aproxima do desempenho de fundo do Ark Invest que foi sensação na pandemia

Redação IF

Publicado em 24.jan.2022 às 14h30

Nunca tantos investidores compraram debêntures incentivadas; entenda como funcionam os títulos de dívidas privadas

Os título incentivados, voltados para obras de infraestrutura, captaram R$ 47,2 bilhões

Redação IF

Atualizado em 24.jan.2022 às 08h09

Política monetária nos EUA domina atenções da semana

Para tentar controlar a inflação dos EUA, o banco central americano sinaliza o retorno da alta nas taxas de juros – analistas avaliam o impacto na Bolsa brasileira e no dólar

Mais lidas hoje

  1. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 26.jan.2022 às 11h26
    Ferramenta lançada pelo Banco Central permite saber se você tem dinheiro a receber dos bancos

    Segundo o BC, há ao menos R$ 8 bilhões parados nas instituições financeiras – conheça o passo a passo para fazer a consulta e saber se você é credor

  2. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 22.jan.2022 às 12h01
    Neymar compra NFTs por R$ 6 milhões; saiba como funciona esse investimento

    Craque passa a fazer parte de um clube restrito a bilionários, que têm direito a festas particulares

  3. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Publicado em 24.jan.2022 às 08h37
    Cade dá aval para Joesley e Wesley Batista assumirem controle da J&F Participações

    A J&F é a controladora do Banco Original do Agronegócio e do Banco Original

  4. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Atualizado em 07.jan.2022 às 08h27
    Conheça os fundos de investimento que lucram milhões com shows de artistas adorados pelo público

    Saiba quem são os gestores (e como são remunerados) por trás de nomes como Gusttavo Lima, Seu Jorge, Alexandre Pires, Maurício Manieri e Daniel