Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

Pontos-chave

O papo hoje é reto: foi dada a largada oficial nas eleições presidenciais do Brasil e não vai ter jeito, isso vai interferir nos seus investimentos, para o bem ou mal.

Faz tempo que a gente alerta por aqui como a eleição deixa o mercado volátil, você já sabe. Mas o que quis dizer é que agora a pandemia e a guerra estão mais normalizadas na rotina, o que não quer dizer que perderam a importância, tá? Mas de alguma forma as pessoas já se “adaptaram” a essa realidade e assim surgiu uma brecha maior pras discussões sobre eleição crescerem. Fora que está cada vez mais perto da hora de votar, né?

A corrida está polarizada, Jair Bolsonaro de um lado, Lula do outro, e a terceira via que demorou pra se consolidar não parece ter fôlego nas urnas.

As expectativas sobre as eleições podem afetar os investimentos

Para a economia, esse cabo de guerra é de extrema importância, já que o mundo das finanças depende de expectativas! Os investidores se debruçam nas especulações pra tentar prever o sucesso.

“Se o Lula ganhar será que a economia vai bombar e muita gente vai buscar títulos brasileiros e os preços vão subir?”, ou “Será que se o petista for nomeado a economia vai por água abaixo todo mundo vai vender títulos brasileiros e os preços vão cair?”. É um jogo sobre esperança, ou a falta dela. Então, bora discutir como pensar em lucrar com ativos enquanto nos aproximamos de uma eleição tensa.

Focando na corrida presidencial, é necessário frisar que um dos impactos diretos que ela tem nas nossas vidas é na dívida pública do país. Por isso, meus caros investidores, antes de votar leiam as propostas econômicas dos candidatos, para entender os caminhos e os planos que eles têm pros negócios do país e garantir o voto em quem representa melhor sua visão de sucesso para a economia brasileira.

Saiba mais no Papo de Finanças com Nina Silva!