Potencial fusão de Aliansce e BR Malls vale R$ 13 bi

As administradoras de shopping centers estão em conversas preliminares para juntar seus negócios

(Foto: Alexander Kovacs/Unsplash)

As administradoras de shoppings Aliansce e BR Malls estão em conversas preliminares para uma potencial fusão, apurou o “Pipeline”, do Valor Econômico. Ainda não há nada vinculante, mas já houve uma primeira reunião entre Renato Rique, presidente do conselho da Aliansce, e José Afonso Castanheira, presidente do conselho da BRMalls, conforme fontes próximas às companhias. Na conversa, Rique e Castanheira combinaram de tocar o assunto nos primeiros dias de janeiro.

Juntas, Aliansce e BR Malls podem formar uma companhia de quase R$ 13 bilhões de valor de mercado e uma carteira de mais de 50 shoppings. A BR Malls vale R$ 7,04 bilhões com um portfólio de 31 shoppings. Já a Aliansce vale em bolsa R$ 5,57 bilhões, detendo 22 shoppings e administrando outros 11 de terceiros.

O flerte entre as companhias é antigo e já esquentou e esfriou ao menos duas vezes nos últimos cinco anos. Desta vez, a provocação vem da Aliansce, segundo as fontes. A Aliansce contratou o banco BTG Pactual como assessor financeiro nessasconversas. A administração da companhia vem debatendo com o conselho formas de ganhar musculatura no setor de forma mais agressiva, aumentando a escala e aproveitando múltiplos mais oportunísticos, incluindo outros potenciais ativos de companhias fechadas.

Durante a pandemia, com restrições de horário e períodos de lockdown, os balanços e as ações de empresas do setor sofreram. Em bolsa, tanto Aliansce quanto BR Malls valem hoje menos da metade do que valiam no início de 2020. No ano, a ação da Aliansce acumula queda de 24% – no balanço, os números já são melhores que no ano passado, com alta de 14% na receita líquida em nove meses, com crescimento da margem de lucro, chegando a 26,3% no terceiro trimestre. Na BR Malls, a quedado papel no ano é de 15%, mas em nove meses de 2021 a receita líquida aumentou 17,5% em relação ao mesmo período do ano passado e a companhia voltou ao lucro.

As companhias contam ainda com um forte acionista em comum. Aliansce e BRMalls têm o fundo canadense CPPIB na maior posição do capital de ambas – na primeira com 23%, onde há outros acionistas de referência como a alemã Cura Brazil, a própria Sonae e Renato Rique, e na segunda, que tem capital pulverizado, com 9,6%.

As tratativas iniciais acontecem dois anos depois de a Aliansce ter se fundido com a Sonae e 13 meses após uma tentativa frustrada de fusão da BR Malls com a Ancar Ivanhoe.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 19h36
Dow Jones sobe mais de 600 pontos; S&P 500 se afasta do território ‘Bear Market’

O S&P 500, índice de referência do mercado de ações nos EUA, avançou 1,9% nesta segunda-feira

Diogo Rodriguez Atualizado em 23.maio.2022 às 16h52 Duração 1 min.
O que é uma fintech? O que ela faz?

Qual é a diferença das fintechs para os bancos tradicionais? Saiba mais no Me Explica na IF

Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 16h47
Seis brasileiros que ficaram bilionários na pandemia

Atualmente, são 62 nomes - indivíduos ou famílias - do Brasil que seguem com fortunas acumuladas acima de US$ 1 bilhão