Minas e Energia: o que pode mudar no processo de privatização da Eletrobras?

Troca no comando da pasta deve afetar a postura do governo com o TCU

Privatização da Eletrobras foi aprovada pelo TCU (Foto: Brendan McDermid/REUTERS)

A troca de comando no Ministério de Minas e Energia (MME) reforça a ala do governo disposta a elevar o tom com o Tribunal de Contas da União (TCU) na novela em torno da privatização da Eletrobras.

Nas últimas semanas, de forma discreta, apareceram divergências dentro do governo sobre a melhor forma de lidar com a resistência de parte da cúpula do TCU em aprovar a capitalização da empresa de energia com recursos privados.

Não que isso tenha pesado na exoneração de Bento Albuquerque do MME, mas sua substituição por Adolfo Sachsida pode ter reflexos no caso Eletrobras. Nas últimas semanas, de forma discreta e sem que tenham sido escancaradas, apareceram divergências internas no governo sobre a melhor forma de lidar com o assunto.

Enquanto a equipe econômica defende uma postura mais assertiva no relacionamento com o tribunal de contas, Albuquerque vinha reforçando a estratégia diplomática. No dia da sessão plenária em que o ministro Vital do Rêgo pediu vista do processo, ele mandou mensagens de WhatsApp à cúpula do órgão de controle – antes da reunião – destacando os pontos positivos da operação para o futuro do setor elétrico, mas enfatizando a importância da autonomia do TCU.

Essa estratégia tem sido classificada, nos bastidores, como “ingênua” por parte de setores do governo Jair Bolsonaro. Paulo Guedes, por exemplo, aproveitou uma cerimônia no Palácio do Planalto para insinuar publicamente que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva telefonou para ministros do TCU a fim de brecar a aprovação da modelagem.

Outra divergência surgiu, há duas semanas, por causa de uma nota oficial respondendo rumores – atribuídos pela imprensa ao órgão de controle – de que o governo preferia a capitalização da Eletrobras agora em maio porque o valor das ações ficaria mais baixo para investidores privados. A Economia queria soltar um comunicado em resposta, o MME foi contra.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Diogo Rodriguez Atualizado em 23.maio.2022 às 16h52 Duração 1 min.
O que é uma fintech? O que ela faz?

Qual é a diferença das fintechs para os bancos tradicionais? Saiba mais no Me Explica na IF

Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 16h47
Seis brasileiros que ficaram bilionários na pandemia

Atualmente, são 62 nomes - indivíduos ou famílias - do Brasil que seguem com fortunas acumuladas acima de US$ 1 bilhão

Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 13h41
Doria desiste de ser candidato a presidente

'Entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB', disse ex-governador paulista, em anúncio feito nesta segunda-feira