Corrida presidencial: PSDB aprova apoio à candidatura de Simone Tebet

Tucanos indicarão vice na chapa

Simone Tebet diz ser liberal na economia e promete ministério paritária se for eleita presidente. Foto: Luiz Cervi e Tomaz Turra/Divulgação

Após cinco horas de reunião, a Executiva Nacional do PSDB aprovou nesta quinta-feira a aliança nacional com MDB e Cidadania, tendo a senadora Simone Tebet (MDB-MS) na cabeça da chapa que vai disputar a Presidência da República. Pelo acordo, o PSDB indicará o vice, que tem como nome principal o do senador Tasso Jereissati (CE).

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, esclareceu que não houve discussão sobre a composição da chapa. Além da indicação de Tasso Jereissati, que é o mais cotado para a vaga, também lembrou o nome da senadora Mara Gabrilli (SP) para integrar a chapa com Tebet.

Araújo também minimizou a ameaça feita nas redes sociais pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), de romper o acordo em São Paulo em torno da candidatura à reeleição do governador Rodrigo Garcia (PSDB). Como o PSDB em Alagoas declarou apoio ao MDB do senador Renan Calheiros (AL), adversário de Lira, o presidente da Câmara disse que esse movimento afastaria o Progressistas e o União Brasil da aliança com Garcia em São Paulo.

São Paulo é palco da principal aliança entre PSDB e MDB, onde os emedebistas vão indicar o vice de Garcia. Araújo desmentiu Lira, assegurando que o União Brasil continua com Garcia no Estado. “Quando fizemos entendimentos em São Paulo, não houve relação de dependência com o resultado dessa reunião de hoje”, observou. Araújo enfatizou que a questão em Alagoas é “local”, e os partidos estão dedicados a encontrar uma convergência.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, onde o MDB não aprovou o apoio à pré-candidatura de Eduardo Leite ao governo, e manteve a pré-candidatura do deputado estadual Gabriel Souza, Araújo disse que a aliança no

Estado vai se resolver “com naturalidade”.

“O Rio Grande do Sul vai ser o laboratório do que estamos vivendo aqui”, disse Araújo. O dirigente tucano argumentou que o PSDB “abriu mão de uma história [de candidatura] própria para preservar alternativas ao eleitor brasileiro”, e por isso, espera a mesma contrapartida do MDB gaúcho.

De um total de 46 votantes, que inclui as bancadas do Senado e da Câmara, foram 39 votos a favor da aliança, 6 contrários, e 1 abstenção. Considerando apenas a Executiva Nacional da legenda, foram 31 votos a favor, 1 contrário, do deputado e ex-presidente da sigla Aécio Neves (MG), e 1 abstenção, do vice-presidente da sigla e ex-prefeito de Porto Alegre Nelson Marchezan Júnior.

Outros votos contrários à aliança vieram dos aliados de Aécio: o presidente do diretório do PSDB em Minas, deputado Paulo Abi-Ackel, e do deputado mineiro Eduardo Barbosa. Também votaram contra a adesão a Tebet: os deputados Valdir Rossoni, do Paraná, Alexandre Frota, de São Paulo, e o senador Plínio Valério (AM).

Araújo negou que o partido tenha saído rachado da votação de hoje, porque obteve expressiva maioria dos votos. “Se essa demonstração é de racha, vou ter que aprender aritmética”, ironizou o dirigente tucano.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 11h35
Análise: De olho no voto útil, Lula retoma pontes com empresários e empodera “guru” econômico

Ex-presidente, antes refratário a assumir compromissos na campanha, antecipa série de conversas com o PIB, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 07h41
Vivo emite R$ 3,5 bilhões em debêntures com metas ESG; saiba como funciona o investimento

A empresa firmou compromisso de elevar a participação de negros em cargos de liderança