Câmara proíbe cobrança por bagagem despachada em avião

Para ter validade, o texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado até 1º de junho e sancionado pelo presidente

Foto: Pexels

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira a proibição de que as companhias aéreas cobrem taxas adicionais para envio de bagagem em voos. A emenda da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) recebeu 273 votos a favor e 148 contrários, apesar da orientação contrária do governo Bolsonaro (PL). A vedação foi incluída na medida provisória (MP) que desburocratiza regras do setor aéreo, batizada de “Voo Simples”.

A emenda aprovada retoma regra que existia até a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizar as empresas aéreas a cobrarem pelo despacho de bagagem em 2016 dizendo que isso reduziria o preço das passagens aéreas ao permitir a entrada de companhias “low cost”, com voos mais baratos e sem tantos direitos.

Pelo projeto agora aprovado, os passageiros poderão enviar sem custo um volume de até 23 quilos em voos nacionais e 30 quilos em voos internacionais. As companhias só poderiam cobrar taxa por malas adicionais ou acima desse peso. Para ter validade, o texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado até 1º de junho e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Perpétua argumentou que a promessa de redução no preço das passagens não ocorreu. “Desde então, as passagens só aumentaram. Hoje um voo do Acre para Brasília custa mais de R$ 6 mil. Não é possível que alguém que pague R$ 6 mil ainda precise pagar a mais para despachar uma bagagem”, protestou.

A deputada, apesar de ser oposição, recebeu apoio de governistas. Líder do Republicanos, o deputado Vinícius Carvalho (SP) reclamou que as empresas aproveitaram a pandemia para acabar com a distribuição de lanches nos voos. “O que vemos são as empresas sempre naquela política, da economia do palitinho, cada vez se enriquecendo mais e mais”, afirmou.

O governo Bolsonaro orientou sua base a votar contra a emenda, mas foi seguido apenas pelo PL, PP, União, Novo, Pros e PTB. “A bagagem não será grátis. Vai estar inclusa no preço da passagem, que vai aumentar”, disse o relator da MP, deputado general Peternelli (União-SP). “Esse contexto de obrigar a bagagem de 23 quilos pode inviabilizar os voos menores”, afirmou.

Aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL), o deputado Otoni de Paula (MDB-RJ) ignorou os apelos do governo e pediu voto a favor da emenda. “Quero alertar a Frente Parlamentar Evangélica, porque como a Perpétua é do PCdoB, alguém pode votar contra por achar que é questão ideológica. Não é não. Essa Casa foi enganada pela Anac”, disse.

A MP ainda muda regras de cobrança de tarifa aeroportuárias (como permitir pousos em qualquer aeroporto por razões meteorológicas sem pagamento de taxa adicional) e desobriga as concessionárias de aeroportos de pagarem as contribuições ao Fundo Nacional de Aviação Civil, com redução nas taxas das aeronaves.

O parecer também determina que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deverá criar regulamento específico para aeródromos situados na área da Amazônia Legal para fomentar a região e permite que o Executivo faça concessão patrocinada (ou seja, banque parte do serviço) de oito aeroportos regionais no Amazonas.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 09h54
Dólar sobe acompanhando exterior e juros futuros estendem alta da véspera

Divisa americana ganhava força no pregão desta quarta ante moedas de países emergentes

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 09h49
Guedes diz ser possível reajuste de 5% para servidores: ‘Mas esqueçam inflação anterior’

A proposta do governo de aumento do funcionalismo público tem sofrido resistências de diversas categorias

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h46
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h48
Bolívia reduz envio de gás para o Brasil e custo pode subir

Produção boliviana tem sido direcionada para atender uma demanda maior da Argentina

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h28
Bagagem despachada em voo: Bolsonaro deve decidir se confirma ou rejeita gratuidade

O governo argumenta que a proibição de cobrança fará com que as aéreas de baixo custo não venham para o Brasil