Aéreas e CVC desabam com temor de nova cepa do coronavírus; Ibovespa cai 3,39% e dólar sobe

OMS chamou a variante descoberta na África de "preocupante"

Mercados acumulam perdas com alta de juros (Foto: Pixabay)

O medo de uma nova e mais perigosa variante do coronavírus causador da Covid-19 fez as empresas ligadas ao setor de turismo desabar nesta sexta-feira (26), levando o Ibovespa, principal índice acionário do mercado brasileiro, a interromper uma série de três altas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou hoje uma reunião de emergência para tratar da nova variante do coronavírus. Chamou-a ômicron e qualificou-a como “variante de preocupação”. Vários países da Ásia e Europa já anunciaram medidas para restringir a entrada de viajantes vindos da África do Sul e nações vizinhas, como forma de impedir a entrada da nova variante em seus territórios.

O Ibovespa terminou o dia com baixa de 3,39%, aos 104.224 pontos. As maiores quedas foram da companhia aérea Azul (-14,2%, a R$ 23,30), Gol (-11,8%, a R$ 15,08) e da agência de viagens CVC (-11,06%, a R$ 24,95).

“O mercado deve continuar estressado enquanto não houver uma percepção clara em relação à eficiência ou não das vacinas contra essa nova cepa, ainda mais com os casos de covid aumentando na Europa. Para além disso, boa parte das bolsas internacionais já estava num patamar de preços elevado, o que facilita a correção”, disse ao Valor Econômico André Moura, sócio da Nau Capital.

A preocupação com a nova variante do coronavírus também sobre o apetite por risco dos investidores no mercado de câmbio. O pico do nervosismo, porém, foi observado nos primeiros negócios do dia. Após tocar R$ 5,6679 na abertura, o dólar devolveu um pouco do movimento ante o real e chegou ao fim do pregão desta sexta-feira negociado a R$ 5,5948, em alta de 0,54%.

Black Friday

O mercado financeiro está acompanhando de perto, também, o resultado da Black Friday, que se tornou uma das datas mais importantes para o varejo brasileiro.

Entre ontem e a manhã de hoje, o varejo on-line já havia faturado R$ 2,3 bilhões, com 3,6 milhões de pedidos, segundo a empresa de análise de dados Neotrust. O faturamento estava 4% superior ao resultado do mesmo período de promoções do ano passado, mas o volume de compras seguia estável nessa comparação. Ou seja, a elevação de um ano a outro está menor do que a inflação nesse intervalo, que beira 10%. Essa diminuição no poder de compra, somada aos juros elevados e ao endividamento das famílias, deve prejudicar os varejistas agora. “Vejo um cenário desafiador para ter vendas fortes”, afirma Pedro Galdi, analista da corretora Mirae Investimentos.

Segundo Rodrigo Crespi, analista da corretora Guide, notou-se um movimento forte nos setores de moda e acessórios, beleza e perfumaria, ultrapassando os eletrônicos, que costumavam ser os preferidos na data. “Acho que muito tem a ver com o ticket médio reduzido, além do ‘consumo por vingança’, dado que no ano passado havia mais restrições”, disse.

Com reportagem de Júlia Moura e edição de Denyse Godoy


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 19h14
NY: Empresas de tecnologia recuperam perdas; ações de aéreas americanas fecham em alta

Dados positivos de vendas no varejo nos EUA e sinais de reabertura na China alimentam otimismo

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h48
Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h27
Ibovespa opera em alta e busca retomar marca de 110 mil pontos

Bolsa busca quinto dia de ganhos, em meio ao alívio no exterior