Dólar fecha em baixa com otimismo com PEC dos Precatórios e aprovação da MP que cria o Auxílio Brasil

Moeda fechou em queda de 0,54% nesta quinta-feira, negociado a R$ 5,565

Foto: Pixabay

No encerramento do pregão, o dólar foi negociado a R$ 5,5648, baixa de 0,54%. No mesmo horário, ele cedia 0,35% contra o rublo russo e 0,76% contra o florim húngaro, mas subia 0,72% frente ao peso mexicano e 0,41% ante o rand sul-africano. Lá fora, após dias de valorização contínua, o índice DXY da ICE também faz uma pausa no no rali. No horário acima, ele cedia 0,10%, aos 96,78 pontos.

De olho ainda em um possível indício de que a inflação esteja perto do pico no Brasil, a moeda americana operou em queda firme durante a tarde, em um movimento amplificado pelo dia de liquidez reduzida por causa do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos. O giro do contrato para dezembro do dólar futuro, o mais líquido, foi de R$ 30,6 bilhões, metade da média diária dos últimos 17 dias úteis, de R$ 61,7 bilhões.

“Temos um dia embalado pelo apetite de risco externo, o Ibovespa também opera perto das máximas. Por aqui, a sensação ainda é de otimismo com a aprovação da PEC Precatórios”, disse ao Valor Econômico Fernando Bergallo, diretor da FB Capital.

Outro fator que apoiou a tomada de risco foi a aprovação da medida provisória (MP) que cria o Auxílio Brasil sem a correção do benefício pela inflação. Após pressão da equipe econômica, o relator da medida, deputado Marcelo Aro (PP-MG) retirou o dispositivo do texto. Com isso, a Câmara dos Deputados aprovou a MP que substitui o programa de distribuição de renda Bolsa Família. A matéria segue para apreciação do Senado e precisa ser aprovada pelas duas Casas do Congresso até o dia 7 de dezembro, para não perder a validade.

Investidores também digeriram os números do IPCA-15, que subiu 1,17% em novembro. No acumulado de doze meses, o índice chegou a 10,73%, de 10,34% registrado em outubro. Segundo um gestor ouvido pelo Valor, que preferiu não se identificar, o dado indica que a inflação finalmente fez o pico no Brasil. “Olhando a coleta diária dos preços, dá para ver que o comportamento é positivo. A sensação térmica das coisas está melhorando”, diz.

Com Valor Econômico


Você também pode gostar

Redação IF

Publicado em 07.dez.2021 às 19h16

Dólar fecha em queda de 1,27%, com otimismo sobre variante ômicron

No fim do dia, a moeda americana foi negociada em baixa de 1,27%, R$ 5,6178

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 15h46

Ibovespa segue em alta, impulsionando ações de petrolíferas, mineradoras e siderúrgicas

Recuperação dos preços de minério de ferro, que subiram mais de 8% na China, impulsionam ações de mineradoras e siderúrgicas

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 18h12

Dólar fecha em alta com mercado de olho banco central dos EUA

Moeda norte-americana avançou 0,13%, a R$ 5,69; investidores monitoram se o BC norte-americano pode antecipar aumento dos juros

Redação IF

Atualizado em 06.dez.2021 às 20h43

Ibovespa sobe acompanhando exterior e PEC dos Precatórios – ganho é generalizado entre as blue chips

Mercado mostra alívio com estudos iniciais que não mostram maior gravidade da variante ômicron

Valor Econômico

Publicado em 03.dez.2021 às 18h29

Juros futuros recuam após surpresa negativa da produção industrial

A taxa do DI para janeiro de 2023 caiu de 11,59% no ajuste anterior para 11,29% e a do DI para janeiro de 2027 anotou queda de 11,27% para 10,92%

Redação IF

Publicado em 03.dez.2021 às 18h10

Dólar fecha em alta de 0,42%, a R$ 5,68, de olho em dados dos EUA

Com a alta de hoje, o real acumulou valorização de 1,56% na semana. No mês, passa a ter ganho de 0,80%.

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h37

Banco Inter desiste de reorganização societária que o levaria à Nasdaq

Adesão de minoritários, que se tornou vantajosa diante da queda das ações nas últimas semanas, ultrapassou limite de desembolso estipulado pela instituição, de R$ 2 bilhões