Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Foto: Pexels

As principais bolsas europeias iniciaram o pregão no vermelho, contaminadas pelas perdas aceleradas da véspera em Nova York, sendo que os futuros dos índices de ações americanos indicam uma extensão da queda de ontem no pregão de hoje. O clima de cautela prevalece nos negócios, em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global.

Por volta das 7h15, o índice Stoxx Europe 600 caía 2,12%, aos 424.76 pontos. Nas bolsas, Londres recuava 2,46%, aos 7.255 pontos; Paris tinha queda de 2,14%, aos 6.217 pontos; enquanto Frankfurt cedia 2,02%, aos 13.725 pontos. Entre os setores, as montadoras e as varejistas estavam entre os piores desempenhos.

Já em Nova York, no pré-mercado, o futuro do Dow Jones cedia 1,34%; o do S&P 500 declinava 1,43% e o do Nasdaq perdia 1,54%, em um sinal de que o mercado acionário americano deve estender as perdas, um dia após os três índices acionários amargarem queda entre 3,5% e 5%.

“Mais do que nunca, parecem ser necessárias provas de que o pico da inflação foi alcançado para que o mercado possa se recuperar de forma sustentada”, disse o gestor de ativos Louis Navellier. “A inflação está atingindo todos os aspectos, seja nos balanços das empresas, seja na cadeia de suprimentos”, emendou Nick Giacoumakis, presidente e fundador da NEIRG Wealth Management.

As preocupações com a alta da inflação elevam os riscos quanto à resposta dos principais bancos centrais globais, que podem adotar uma política monetária ainda mais agressiva, apertando a taxa de juros. “Tudo começou quando o Fed [Federal Reserve] ameaçou elevar a taxa de juros para além do nível neutro”, resume, em relatório, o estrategista global do Rabobank, Michael Every. A isso, somam-se os desdobramentos da guerra na Ucrânia.

Bolsas da Ásia fecham em queda

As principais bolsas asiáticas encerraram as sessão em forte queda, pressionadas pelas perdas aceleradas em Nova York ontem, em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no desempenho financeiro das empresas e também na atividade econômica. Hong Kong e Tóquio lideram o movimento, ao passo que Xangai conseguiu encerrar em alta.

Ao final da sessão regular, o índice japonês Nikkei 225 fechou em baixa de 1,89%, aos 26.403 pontos, reagindo à notícia de que o Japão registrou déficit comercial em abril, apesar do enfraquecimento do iene ante o dólar e em meio ao salto de 28% nas importações, a US$ 70 bilhões, no maior valor desde o início da série histórica, em 1979.

Na China, Hong Kong cedeu 2,54%, aos 20.121 pontos, enquanto Xangai teve valorização de 0,36%, aos 3.097 pontos. Já a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, caiu 1,32%, aos 2.591 pontos. Ainda na região Ásia-Pacífico, a Bolsa de Sydney caiu 1,65%, a da Malásia cedeu 0,35% e a de Cingapura recuou 0,95%. Na outra ponta, a Bolsa da Indonésia subiu 0,44%.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 18h49
Ibovespa fecha semana em baixa de 1,15%; dólar alcança maior valor desde fevereiro e sobe 2,13% na semana

Moeda americana voltou a superar R$ 5,25 e tem 4ª semana consecutiva de alta frente ao real

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 11h46