Apple adia retorno do trabalho presencial e fecha lojas com aumento de casos de covid-19 nos EUA

O fechamento de lojas da Apple passou a ser observado de perto no varejo, já que a empresa respondeu rapidamente a surtos e riscos à saúde durante a pandemia

Loja da Apple em Los Angeles, nos Estados Unidos, que abriu as portas em 19 de novembro (Foto: Apple/Divulgação)

A Apple adiou mais uma vez os planos de voltar com o trabalho presencial em meio às preocupações com a variante ômicron do coronavírus. A companhia fechou três lojas nos Estados Unidos e Canadá após o aumento de casos de covid-19 nessas unidades.

A gigante de tecnologia disse em comunicado que monitora regularmente as condições e ajusta as medidas de saúde para apoiar o bem-estar dos clientes e dos funcionários.

A Apple diz que ainda definirá uma nova data para a volta de seus funcionários ao escritório. Há um mês, o presidente da companhia, Tim Cook, disse aos trabalhadores que eles voltariam em um modelo híbrido em fevereiro.

O fechamento de lojas da Apple passou a ser observado de perto no varejo, já que a empresa respondeu rapidamente a surtos e riscos à saúde durante a pandemia.

As mortes por coronavírus nos Estados Unidos ultrapassaram 800.000 na quarta-feira.

Banco de dados do The New York Times

As mortes por coronavírus nos Estados Unidos ultrapassaram 800.000 na quarta-feira, de acordo com um banco de dados do The New York Times. O novo número de mortes – o maior número conhecido de qualquer país – chega um ano depois que as vacinas contra o coronavírus começaram a ser lançadas nos Estados Unidos.

Também chega em um momento tênue na pandemia: os casos estão aumentando mais uma vez, os hospitais em algumas partes do país estão cheios de pacientes com Covid e a ameaça e as incertezas de uma nova variante assomam.

Mais de 1.200 pessoas nos Estados Unidos morrem de Covid-19 a cada dia, segundo o banco de dados do The New York Times. As últimas 100.000 mortes ocorreram em menos de 11 semanas conforme o ritmo da morte acelerou, movendo-se mais rápido do que em qualquer momento diferente do pico do inverno passado.

O aumento atual está sendo impulsionado pela variante Delta. Ainda não se sabe como a variante Omicron, que continua a surgir em mais estados, pode afetar essas tendências nas próximas semanas e meses.

Há um mês, a Apple abriu sua nova Apple The Grove, uma das iconicas lojas da marca, no coração de uma praça ao ar livre, na West Third Street, em um dos bairros comerciais mais badalados de Los Angeles (EUA). Com o dobro do tamanho do prédio anterior, a loja foi redesenhada para ser um novo local de encontro para consumidores da marca. Agora, fica a pergunta: quanto tempo permacerá aberta?

De acordo com dados estaduais, havia 770 pacientes positivos para COVID em hospitais municipais de Los Angeles nesta quarta-feira (15), acima dos 751 na terça-feira – mas cerca de 100 a mais em relação à semana passada e aproximadamente 200 acima do número do final de novembro.


Você também pode gostar
Valor Econômico Atualizado em 16.maio.2022 às 20h10
Magazine Luiza reverte lucro e tem prejuízo de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Rede afirma que o resultado reflete o aumento de despesas financeiras no período

Redação IF Publicado em 15.maio.2022 às 07h50
BTG Pactual estaria prestes a fechar a aquisição da adquirente Stone?

Desvalorização da adquirente em bolsa atrai interessados em M&A

Valor Econômico Atualizado em 14.maio.2022 às 07h21
Autismo: o que Elon Musk, Anthony Hopkins e Greta Thunberg têm em comum e vai além do óbvio

Os cientistas ainda lutam para entender o processo que leva ao autismo, mas há avanços significativos para celebrar

15 min
Redação IF Publicado em 13.maio.2022 às 09h46
Musk diz que ‘ainda está empenhado em adquirir’ o Twitter

Ação da rede social chegou a cair mais de 25% no pré-mercado

Redação IF Publicado em 13.maio.2022 às 09h23
Saiba o que levou Elon Musk a esfriar o negócio com o Twitter

Ao fazer anúncio, bilionário citou reportagem sobre contas falsas na rede social

Valor Econômico Publicado em 13.maio.2022 às 09h00
Os preços da gasolina e do diesel vão cair se a Petrobras for privatizada?

Entenda os impactos que uma eventual privatização da Petrobras teria no mercado brasileiro de combustíveis