S&P 500 se distancia das mínimas mas ainda flerta com quinta semana consecutiva de perdas

No final da manhã, todos os onze índices setoriais do S&P 500 seguiam no vermelho

Foto: PIxabay

Nesta sexta-feira, os investidores se concentraram nos rendimentos do Tesouro e em um relatório de empregos que superou por pouco as expectativas, um dia após a maior queda do mercado de ações desde 2020.

A economia dos EUA adicionou 428.000 empregos em abril e a taxa de desemprego permaneceu em 3,6%, marcando o 12º mês consecutivo de crescimento de empregos acima de 400.000.

Às 13h, o Dow Jones Industrial Average caia 0,6%, um dia depois que o índice blue-chip caiu mais de 1.000 pontos, seu pior dia desde 2020. O S&P 500 caia 0,5%, enquanto a Nasdaq, bolsa de tecnologia, caia 0,7. %.

No mesmo horário, o rendimento do Tesouro de 10 anos era negociado em torno de 3,081%, abaixo do dia anterior, mas ainda próximo dos níveis mais altos desde novembro de 2018.

Emprego nos EUA supera expectativa

Hoje, a atenção dos investidores pela manhã se voltou ao mercado de trabalho nos Estados Unidos. De acordo com o relatório do Payroll, os EUA criaram 428 mil vagas de trabalho em abril, ficando ligeiramente acima da expectativa dos economistas consultados por “The Wall Street Journal”, de 400 mil vagas. Os dados de fevereiro e março, porém, foram revisados para baixo, no entanto, com a leitura de fevereiro sendo reduzida em 36 mil, para 714 mil, e a de março diminuindo em 3 mil, para 428 mil, totalizando uma redução de 39 mil vagas.

A reação inicial ao dado foi positiva, com os futuros apagando as perdas logo após a divulgação do relatório. Os investidores parecem ter se apegado ao fato de que as revisões para baixo dos dados de fevereiro e março compensam o número de março acima das expectativas de consenso e ao fato de que a taxa de desemprego continuou estável em 3,6%, ao invés de cair a 3,5%, como era esperado.

Um número mais fraco do payroll ajudaria a aliviar a pressão sobre o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para elevar rapidamente os juros para controlar a disparada da inflação nos EUA, mas os investidores seguem receosos também com a possibilidade de uma desaceleração muito rápida da economia em resposta ao aperto monetário.

Os ganhos salariais por hora trabalhada nos EUA subiram 5,5% em abril, na comparação com o mesmo mês do ano passado, ficando em linha com o esperado, enquanto a participação na força de trabalho indicou uma leve queda, a 62,2% em abril, de 62,4% da leitura de março. Ambos os dados parecem indicar que o mercado de trabalho segue bem apertado nos EUA.

Os rendimentos dos títulos do Tesouro americano (Treasuries), cujo rali derrubou as ações ontem em Wall Street, chegaram a apagar os ganhos, subiram após os dados, mas agora voltam a cair. O rendimento do Treasury de dez anos caía, no horário acima, a 3,063%, de 3,068% do fechamento de ontem. Já o dólar no exterior, que se fortaleceu bastante ontem, hoje volta a ficar no vermelho, caindo 0,32%, a 103,415 pontos.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA