Percepção de inflação disparou nos últimos 6 meses no Brasil

População reduziu gastos principalmente com comida, combustíveis e bens duráveis

Foto: O Globo

A percepção de inflação aumentou 22 pontos percentuais na pesquisa de abril em relação à anterior, de novembro. Brasileiros começaram a reduzir gastos com comida, combustíveis e bens duráveis.

O impacto da inflação foi sentido, nos últimos seis meses, por 95% da população. Esse número é 22 pontos percentuais acima do registrado em novembro de 2021, quando 73% afirmaram ter percebido aumento de preços.

Os dados são da pesquisa “Comportamento e economia no pós-pandemia”, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Instituto FSB Pesquisa. Foram entrevistadas 2.015 pessoas, entre 1º e 5 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

“A guerra travada na Ucrânia trouxe mais incertezas para a economia global, o que impulsiona a inflação e desperta o temor de retrocesso da economia em todo o mundo. Diante dessa conjuntura tão difícil quanto indesejada, o Brasil precisa adotar as medidas corretas para incentivar o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda da população. A principal delas é a reforma tributária. Não temos como fugir disso”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

A percepção do aumento de preços, bens e serviços foi generalizada sem grandes diferenças entre os perfis etários, demográficos ou de escolaridade. A pesquisa revela que 76% dos brasileiros afirmaram que sua situação financeira foi prejudicada pela inflação. As mais afetadas são as pessoas sem escolaridade, com renda de até um salário mínimo, e os moradores do Nordeste.

Além disso, 66% da população acredita que a inflação vai aumentar nos próximos seis meses. Na pesquisa anterior, de novembro de 2021, esse percentual era de 54%. Nesse item, há uma grande diferença entre regiões e renda: 71% de quem tem renda entre um e dois salários mínimos acreditam que os preços vão aumentar. Esse percentual é de 55% na população com renda acima de cinco salários mínimos. No Sudeste, essa percepção alcança 67% dos moradores. No Sul, são 59%.

De acordo com a pesquisa, 64% da população afirma ter reduzido gastos nos últimos seis meses. Esse percentual é alto, principalmente quando se considera que, em novembro 74% já tinham diminuído suas despesas. Entre os que reduziram os gastos, 49% afirmaram terem feitos cortes grandes ou muito grandes.

Enquanto o orçamento foi ocupado com gastos crescentes e inevitáveis — como conta de luz, gás de cozinha, cesta básica e remédios —, 34% dizem ter deixado de comprar material de construção; 29% cancelaram TV por assinatura; 12% cortaram a conta de celular; 24% deixaram de fazer refeições fora de casa; 23% deixaram de comprar eletrodomésticos; 15% deixaram de consumir combustível e 16% reduziram esse gasto; 15% deixaram de comprar roupas e sapatos e 14% afirmam não usar mais transporte público.

Além disso, 31% reduziram o consumo de carne vermelha, 27% o de roupas de calçados, 25% de refeições fora de casa e 19% de conta de celular e 19% reduziram frutas e verduras na alimentação.

A situação econômica atual, em comparação com crises econômicas anteriores, é considerada tão grave quanto ou mais grave por 81% da população. A análise dessa questão tem um componente importante: pior percepção é da população com mais de 60 anos, que conviveu com inflação alta e diversos planos econômicos.

A pesquisa mostra que 59% dos pesquisados aumentaram seus gastos com conta de luz, 56% com gás de cozinha, 52% com arroz e feijão, 51% com água e luz e 50% de combustível, 49% de frutas e verduras e 48% de carne vermelha.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 23.maio.2022 às 09h16
Macy’s pode oferecer pistas sobre força dos gastos do consumidor nos EUA

Investidores monitoram pistas sobre o comportamento da inflação no país

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção